20.11.12

 

Durante muito tempo me impressionei com a falta de cidadania das pessoas. Pareciam não perceber que viviam em uma cidade, em um país e tinham seus direitos, assim como seus deveres. Mesmo assim ignoravam as regras, burlavam o sistema, davam risada da lei.

Pelo menos aqui no Brasil a ideia de cidadania é bem distante. Pessoas depredam o património público como se não fossem pagar por isso depois, fazem pouco caso da corrupção na política e não se mexem para mudar os políticos, assim como se eles governassem uma cidade e as pessoas vivessem em outra.

Com o tempo percebi algumas coisas da alma humana. Muitos abandonam seus deveres e esquecem seus direitos, mas é porque já fizeram isso com sua pessoa.

Cansados de muitas coisas, muita gente se limita a viver, a cumprir o mínimo e não pensar em nada.

Aqui em Brasil o povo vive enforcado com os impostos, temos um dos piores sistemas de transporte público e as pessoas moram longe de seus trabalhos. Saem cedo, perdem horas em um trânsito maluco, ganham pouco e o Estado vive ausente, não comparece com boas escolas ou hospitais. É mesmo complicado pedir às pessoas que cheguem em casa depois de horas de trabalho e apertadas nos ônibus e saiam às ruas para reclamar da corrupção e desvio de verbas.

Mal temos tempo para nós, como então ter para um Estado distante e que nos ignora? Tantas coisas fomos obrigados a abandonar no meio do caminho, tantas coisas adiamos por preguiça ou má vontade, como então sair a protestar?
Não é que não exista cidadania, é que muitos andam exaustos, tentando calar sua alma, tranquilizar um pouco o coração e não sobra o tempo que se necessita para as mudanças.

E assim se empurra a vida, o Estado se aproveita, porque continua recebendo seus impostos e nada de reclamações, as pessoas tentam viver da melhor maneira possível, mesmo que isso seja muitas vezes uma vida difícil e lenta.

Antes de pensar na cidadania é importante pensar em quem somos, assim saberemos então que somos além de uma alma, um cidadão, que deve ter noção de seus deveres e seus direitos.

Não se vive em uma cidade à base de deveres, temos nossos direitos, apesar do Estado fazer de tudo para evitar cumprir sua parte, mas devemos exigir, porque não estão nos fazendo nenhum favor.

É tenso pensar que às vezes é tão difícil sair da cama, empurrar a alma para mais um dia e além de tudo temos que lutar pelos nossos direitos, mas o que podemos fazer? Ninguém fará isso por nós, está em nossas mãos mudar a nossa vida para melhor, parece cansativo e é, mas não temos outra saída além de lutar pelo que é nosso.

 

Iara De Dupont (articulista convidada)


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 21:05  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Novembro 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
17

18
19
21
22
24

25
26
28
29


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: