18.12.12

 

No Jornal de Notícias de 16 de dezembro de 2012 lê-se: “Governo quer agravar as sanções para lares clandestinos”. Esta notícia aparece no seguimento do fecho de duas instituições "por perigo iminente para os direitos dos idosos e para a sua qualidade de vida, suscetíveis de colocar em risco a sua integridade física e psíquica".

Fechar ou sancionar parece ser mais fácil do que abrir novas ou promover e incentivar para que haja melhores condições nessas mesmas instituições.

Parece ser que, como todos nós já sabemos, há imensos lares clandestinos a tratarem de forma desumana o Ser Humano. Também há lares oficiais, estatais, e também lares legais, privados, a fazê-lo, assim como grandes hospitais.

Pessoalmente, tenho de dizer que é algo que me perturba de sobremaneira. Altas mensalidades não são garante de absolutamente nada. Longos anos de trabalho, de vida, de dar, que acabam de forma tão inaceitável, não são garante de nada!

Idealmente os nossos direitos de cidadão deviam incluir uma velhice com dignidade, com amor da família e todos os cuidados médicos necessários e bens e cuidados essenciais.

Saad (1990) refere que "a pessoa é considerada idosa perante a sociedade a partir do momento em que termina a sua atividade económica" e acrescenta também que "o indivíduo passa a ser visto como idoso quando começa a depender de terceiros para o cumprimento de suas necessidades básicas ou tarefas rotineiras".

Descontamos quarenta anos para depois termos de pagar a uma instituição qualquer para nos tratar mal. Fragilizados, doentes, dependentes, deprimidos, senis, temos que nos sujeitar a este nosso estado social cada vez menos social.

Reformas miseráveis, rabo molhado e insultos, parecem ser o destino trágico que nos aguarda. Aproveitemos cada fôlego, cada momento, porque não auguro bom final.

Que se dane a cidadania! O velho de 80 anos é, claramente, menos cidadão que um homem de 40 no auge da carreira.

 

Ana Teixeira


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 21:00  Comentar

Maputo | Moçambique

 pessoa(s) ligada(s)

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Articulistas

> Alexandra Vaz (PT)

> Ana Martins (PT)

> Cidália Carvalho (PT)

> Ermelinda Macedo (PT)

> Fernando Couto (PT)

> Fernando Lima (PT)

> Jorge Saraiva (PT)

> José Azevedo (PT)

> Leticia Silva (PT)

> Rui Duarte (PT)

> Sandra Pinto (PT)

> Sandra Sousa (PT)

> Sara Almeida (PT)

> Sara Silva (PT)

> Sónia Abrantes (PT)

> Tayhta Visinho (PT)

> Teresa Teixeira (PT)

Dezembro 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
15

16
17
19
20
22

23
24
26
27
29

30
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Parabéns Ana Martins, uma abordagem bastante suges...
Obrigado Denise, embora sinta que tenha sido basta...
Muito bom !Explicou exactamente o que eu penso!!!
Concordo plenamente caro Dr. Sendi, o facto é que ...
Gostei muito do artigo .Estou plenamente de acordo...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: