8.1.13

 

O que fazer?

Colocar, colocarmo-nos, esta pergunta pode já ser um bom sinal, pois pressupõe intenções de ação numa determinada circunstância. A questão terá como razão de ser e ponto de partida que quem a faz se põe, a si na circunstância, em causa, como potencial ator e não como uma mera consequência.

A pergunta é tão mais importante e atual quanto nós, que vivemos em Portugal, estamos a ver tudo à nossa volta em risco de se desmoronar, perdendo-se a esperança, as referências, os horizontes que teríamos como seguros e estáveis.

Consciente ou inconscientemente, o ambiente que nos rodeia – a começar e a acabar na generalidade dos órgãos de comunicação social – pode levar-nos a desistir, subjugados com mais ou menos queixas, descoroçoados com mais ou menos revolta, remetendo-nos para um ‘estatuto’ de consequência (quase que como), mero fruto das circunstâncias.

Não é uma questão de pretendermos ser heróis quixotescos, nem tartarugas encolhidas dentro da carapaça perante as intempéries.

Antes, será um posicionamento perante as circunstâncias em que nos vemos como causa, perguntando: perante isto, o que me cabe a mim fazer?

Quanto mais nos responsabilizarmos a nós próprios (não, não estou vagamente a falar de sentimentos de culpa, não é isso) como entidades capazes de fazer (o quê, como, quando), mais facilmente nos libertaremos, individual e colectivamente, da etiqueta e da condição de coitadinhos, dependentes da proteção e da orientação de um qualquer chapéu-de-chuva, perante o qual de outra maneira não deixaremos de ser reverentes e obrigados.

 

Jorge Saraiva (articulista convidado)


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 10:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Janeiro 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
14
16
17
19

20
21
23
24
26

27
28
30
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: