3.3.09


 


Desde que se mudou para o barraco, junto à estrada, que o barulho e o trepidar dos primeiros autocarros são o seu relógio despertador.

Acordou com a sensação de ter um corpo junto ao seu. Abre os olhos esfrega-os e volta a abri-los... parecia tão real!... Foi apenas o desejo a levar a melhor sobre a realidade, a sua Sacha está lá longe na cidade fechada de Vladivostok.

Desde que o governo instalou a base militar naval que a cidade deixou de estar aberta aos turistas e visitantes. Foi aí que ficou a sua companheira. O que ganha, mal dá para a renda de casa, mas com a ajuda dos pais e os restos que leva da cozinha da base militar onde trabalha, tem conseguido criar as três filhas.

 

Sente frio, o corpo é sacudido por um arrepio, instintivamente cruza os braços e aperta-os contra o peito, está vivo, e pela frente outro dia.

Mais um dia igual a tantos outros desde que deixou a sua terra bem longe, junto aos Urais. Tinham-lhe dito que na Europa a vida tinha outro brilho, não faltava onde trabalhar e os ordenados compensavam a distância. Com alguma sorte podia mandar algum para a terra e bem poupadinho, em pouco tempo poderia dar a Sacha a casa que lhe garantira virem a ter, um quarto grande para as meninas e cá fora um espaço para brincar e pôr uma mesa grande para reunir toda a família nos dias de festa.

 

Varre com o olhar o espaço exíguo onde se protege da chuva e do vento. O frio, esse continua lá; não há manta que aqueça a alma.

Já não se lembra da última vez que alguém lhe dirigiu a palavra, que o tratou pelo nome. Pronuncia-o só para si, baixinho e devagar Iiiggor. Quando miúdo, se a mãe se zangava, chamava-o carregando no “o” e arrastando o “r”, Igórrr. 

Com a lembrança da mãe o rosto perdeu rigidez e deu lugar a um tímido sorriso.

Sozinho, sem pressa de voltar a ganhar compostura, continua a sorrir e com demorado prazer repete baixinho: “min a zabut” Igor...

 


Cidália Carvalho


 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 13:43  Comentar

De Júlia a 5 de Março de 2009 às 01:17
Sem fugir à triste realidade do Igor, que procurou longe a sua oportunidade para dar conforto à sua família, temos muitas vezes bem perto de nós gente abastada e tremendamente só! Para estes o seu caminho será reavaliar necessidades, para o Igor a tarefa será mais difícil!

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Março 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13
14

16
18
20

22
23
24
26
27
28

30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: