22.2.13

 

É de um vencedor que falamos quando nos referimos a alguém que conquistou o lugar de melhor colaborador da empresa? Continuamos a falar de vencedores se nos referimos àqueles que conseguiram atingir o topo da hierarquia nas empresas, nas escolas, nos agrupamentos e na sociedade civil? E como classificar os que, do nada fizeram dinheiro e engrossaram as listas dos mais ricos?

Supostamente, o empenhamento e o esforço que desenvolveram tinha como objetivo final alcançar essas metas. Nessa medida, sim, atingiram o objetivo, são vencedores. Com a concretização desses objetivos, invade-os um sentimento de realização que se completa com o reconhecimento por parte dos outros. É-lhes devido esse reconhecimento, mas nem sempre lhes é manifestado. Muitas vezes, os danos colaterais, por se ter tomado uma opção, são tão elevados que não resta ninguém por perto para lhes reconhecer o estatuto de vencedores. Por exemplo, se um dos elementos de uma família aposta demasiado na carreira profissional, descorando a própria família, descansando a sua consciência com o conforto que lhes pode proporcionar, pode em algum momento ver os outros elementos acusarem-no de ausente e desinteressado, e o reconhecimento aguardado ser devolvido em ingratidão. Nestes casos, os danos colaterais podem ser tão graves que as opções tomadas passam a ser incompreensíveis, até para o próprio, e deixem de ter qualquer valor. As vitórias sabem menos a vitórias e os vencedores passam a vencidos.

Quem conseguir TER e conseguir FAZER, aos olhos alheios, pode parecer um vencedor, mas os olhos que nos vigiam interiormente não se deixam enganar e para lhe arrancarmos a classificação de vencedores precisamos muito mais do que TER e FAZER - precisamos SER.

Sermos conhecedores de nós próprios, sabermos quais as nossas limitações e incapacidades, termos a coragem de decidir prosseguir, parar ou recuar, penso que fará de nós vencedores; dos outros, esperemos apenas compreensão pelas nossas decisões. A mesma compreensão que sinto ao saber que o Papa Bento XVI resignou.

 

Cidália Carvalho


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 10:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Fevereiro 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
14
16

17
18
20
21
23

24
25
27
28


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: