22.2.13

 

É de um vencedor que falamos quando nos referimos a alguém que conquistou o lugar de melhor colaborador da empresa? Continuamos a falar de vencedores se nos referimos àqueles que conseguiram atingir o topo da hierarquia nas empresas, nas escolas, nos agrupamentos e na sociedade civil? E como classificar os que, do nada fizeram dinheiro e engrossaram as listas dos mais ricos?

Supostamente, o empenhamento e o esforço que desenvolveram tinha como objetivo final alcançar essas metas. Nessa medida, sim, atingiram o objetivo, são vencedores. Com a concretização desses objetivos, invade-os um sentimento de realização que se completa com o reconhecimento por parte dos outros. É-lhes devido esse reconhecimento, mas nem sempre lhes é manifestado. Muitas vezes, os danos colaterais, por se ter tomado uma opção, são tão elevados que não resta ninguém por perto para lhes reconhecer o estatuto de vencedores. Por exemplo, se um dos elementos de uma família aposta demasiado na carreira profissional, descorando a própria família, descansando a sua consciência com o conforto que lhes pode proporcionar, pode em algum momento ver os outros elementos acusarem-no de ausente e desinteressado, e o reconhecimento aguardado ser devolvido em ingratidão. Nestes casos, os danos colaterais podem ser tão graves que as opções tomadas passam a ser incompreensíveis, até para o próprio, e deixem de ter qualquer valor. As vitórias sabem menos a vitórias e os vencedores passam a vencidos.

Quem conseguir TER e conseguir FAZER, aos olhos alheios, pode parecer um vencedor, mas os olhos que nos vigiam interiormente não se deixam enganar e para lhe arrancarmos a classificação de vencedores precisamos muito mais do que TER e FAZER - precisamos SER.

Sermos conhecedores de nós próprios, sabermos quais as nossas limitações e incapacidades, termos a coragem de decidir prosseguir, parar ou recuar, penso que fará de nós vencedores; dos outros, esperemos apenas compreensão pelas nossas decisões. A mesma compreensão que sinto ao saber que o Papa Bento XVI resignou.

 

Cidália Carvalho


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 10:00  Comentar

Maputo | Moçambique

 pessoa(s) ligada(s)

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Articulistas

> Alexandra Vaz (PT)

> Ana Martins (PT)

> Cidália Carvalho (PT)

> Ermelinda Macedo (PT)

> Fernando Couto (PT)

> Fernando Lima (PT)

> Jorge Saraiva (PT)

> José Azevedo (PT)

> Leticia Silva (PT)

> Rui Duarte (PT)

> Sandra Pinto (PT)

> Sandra Sousa (PT)

> Sara Almeida (PT)

> Sónia Abrantes (PT)

> Tayhta Visinho (PT)

> Teresa Teixeira (PT)

Fevereiro 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
14
16

17
18
20
21
23

24
25
27
28


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Parabéns Ana Martins, uma abordagem bastante suges...
Obrigado Denise, embora sinta que tenha sido basta...
Muito bom !Explicou exactamente o que eu penso!!!
Concordo plenamente caro Dr. Sendi, o facto é que ...
Gostei muito do artigo .Estou plenamente de acordo...
Há uma força interior que nos orienta nas decisões...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: