8.3.13

 

Para se sagrar vencedor há que ter predisposição para jogar, arriscar, e ter humildade de encarar o jogo na perspetiva de teoria dos jogos, especificamente de soma diferente de zero, onde haverá um vencedor e, como tal, averbar derrota não é em si um fim, talvez um sinal para futuros confrontos.

O âmago de um vencedor é a busca incessante de satisfação, alegria ou felicidade, que advém dos resultados alcançados, que podem não corresponder necessariamente a um triunfo. Jogar é uma arte, destarte saber jogar é sobretudo um gozo, deleito.

Assim, a felicidade do jogador encerra a definição atempada de um quadro de objetivos de desempenho para a disputa, dentro de um limite máximo e mínimo para ter-se uma margem de desempenho aceitável, contando que existe sempre a incerteza em forma de risco iminente e potencial, disposta a enviesar, impactando positiva ou negativamente no desempenho esperado.

Todo vencedor carrega em si uma dose de sorte, se considerarmos que a ação do risco não impediu-o de se consagrar vencedor, sabendo que a probabilidade de ser vencedor é complementada pela probabilidade de não ser vencedor.

Entretanto o mérito de ser vencedor prevalece e atribui-se a si mesmo, quem soube esquivar-se das tentações para poder preparar-se afincadamente afim de experimentar a sensação de subir ao pódio, que diga-se é viciante, preparação essa que exige muita entrega e sacrifício, virtudes que caraterizam um vencedor. O vencedor tem sólida noção de suas capacidades e limites, variáveis bastantes para proceder a monitoria e avaliação do seu desempenho, condição prévia para a auto superação considerando que há sempre espaço para improvisar o seu desempenho e alcançar níveis de desempenho cada vez crescentes, sempre que houver margem de progressão, ambiente para prosperar e um sistema motivacional que inspire a melhoria contínua numa escala de inovação aceitável.

A paciência tudo vence! A paciência é um exercício de sagacidade! Ora, no limite do processo, entenda-se do jogo, quando menos se espera, quando se carrega fé interior, quando se possui autoconfiança, os resultados positivos esperados despontam suavemente a premiar a sabedoria empreendida e em escala desferram agressivamente como que se uns atraíssem os outros, requerendo medidas pontuais de contingência para se desenfrear possíveis euforias que poderiam irritar a progressão.

O processo de progressão e desenvolvimento de carreira, uma função do desempenho passado com impacto na posição e atuação atual, depende mais do próprio indívuo do que dos outros, pois num sistema aberto e imperfeito a competitividade nem sempre favorece os melhores. Possíveis causas que podem explicar tais factos contam-se a escala de avaliação e critério de avaliação, composição e idoneidade dos avaliadores, compromisso com ética e moral, e objetividade do processo.

Finalmente não se pode falar de vencedor sem considerar a composição implícita ou explícita da equipe de que o vencedor faz parte, seja ela real ou virtual, citando uma máxima: em equipe que vence não se mexe - as melhores equipes fazem grandes vencedores. Este vencedor assemelha-se a cereja no topo do bolo, a sua ascensão e projeção foi possível graças a sua afiliação a uma rede tanto quanto vencedora.

 

António Sendi (articulista convidado)


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 10:00  Comentar

De Eurico Fernandes Manhice a 21 de Março de 2013 às 12:54
Boa tarde prezado Dr. A.O. Sendi!
Belíssimo artigo este pubicado no seu blog.
Dizer desde já que sou um grande admirador e apreciador dos seus artigos. No concernente ao tema deste artigo, de facto existe muitos e grandes vencedores na sociedade. Uma das grandes virtudes e habilidades desses mesmo vencedores é a "paciência", que é um grande exercício mental imensurável, e acima de tudo tem que se ter fé no que se que alcançar ou na definição dos objectivos a alcançar, isso é fruto de uma boa saúde mental. De facto no lote de vencedores, deve-se mesmo destacar aqueles com as qualidades que o artigo enumera, tais como "lealdade, honestidade, humildade, entre outras".
Muito obrigado pelos artigos e força nos seus trabalhos de investigação.
Estamos juntos.

De Cidadão Atento a 26 de Março de 2013 às 18:55
Caro Amigo, agradeço a amabilidade de responder ao link , bem como aos comentários nele incorporados. A sua abordagem é perfeitamente complementar ao conteúdo do artigo, o elemento que refere reiteradamente relativamente as predisposições do competidor, se concordarmos que é condição bastante para sagrar-se vencedor, diga-se pensamento lógico, é válido e constitui vantagem competitiva imputada a faculdade cognitiva da natureza humana.
Espero ouvir-lhe novamente!
Forte abraço

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Março 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
14
16

17
18
20
21
23

24
25
27
28
30

31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: