22.3.13

 

Digo-vos que o termo “vencedor”, em clara contraposição com “vencido”, me causa arrepios. Mas nem sempre foi assim, confesso. Quando somos pequenos temos a tendência para o gosto da vitória, seja ela nossa, ou então, de algo ou de alguém significante. Curiosamente, estas últimas vão mantendo uma certa coerência. Enche-me de felicidade ver um familiar ou um bom amigo ser vencedor, ter sucesso. Adoro quando o meu clube ganha, por exemplo... Mas e em relação às vitórias pessoais? Acredito que a experiência da vida modifica o fulcro do constructo. Na escola ser vencedor começa por significar ser melhor do que os outros a jogar à bola ou a subir às árvores. Depois, significa outras coisas: ter as melhores notas, ter a miúda mais cobiçada, ter a melhor mota, etc., etc.. Atenção que não é preciso ter o conjunto destas situações! Ao longo desta mutável perceção de vitória entendemos que não podemos ser vitoriosos em tudo. Não tendo a miúda mais gira, ter a melhor mota não lhe fica atrás.

E depois perde-se a inocência.

A vitória pessoal torna-se complexa, ganha outra dimensão. Que interessa agora a mota quando tenho de encontrar um meio de subsistência? Que interessa agora a miúda quando tenho de cumprir os objetivos da empresa? Que interessam agora as notas quando a minha relação está em risco? Chega-se então a um ponto em que, infelizmente, já não posso responder que sou um vencedor porque ganhei 3-0 ao 4º ano B. Já não posso responder que sou um vencedor porque a minha mota chegou mais depressa ao semáforo da rotunda da Boavista. E aqui encontramos uma questão pertinente. A quem respondemos nós se somos, ou não, vitoriosos? O difícil da questão é que já não prestamos contas aos nossos cuidadores. A pergunta já não é “tiraste positiva a tudo?”, ou “ganhaste o concurso da escola?”. O difícil da questão é que agora perguntamos a nós próprios pelas nossas vitórias. O difícil da questão é que por vezes não temos resposta.

Quem são então os “vencedores” e quem são então os “vencidos”? Sou-vos honesto quando vos digo que quis evitar arrepios e não entrei em análises profundas à questão. A experiência profissional fez-me acreditar que este universo não tem de ser assim tão polarizado, frio, penalizador. Acredito que somos todos vencedores, assim como vencidos somos todos. E com base nessa premissa pedi segunda opinião a um amigo. Pedi-lhe então que escrevesse sob o lema deste texto – “Sou um vencedor como tu”. Aqui ficam os seus pensamentos e as suas conclusões:

 

“A unicidade é o maior trunfo. Tendemos a perseguir e a idolatrar os objetivos dos outros, pelo receio de trilhar um caminho que perspetivamos solitário e de não lhe resistirmos; Se deixarmos “fluir” o nosso eu surpreendemo-nos com as virtudes e encaramos / aceitamos de frente as fraquezas.

Não há vencedores, nem vencidos. A alternativa a lutar é perecer. E todos, todos, somos vencedores em algum momento e domínio da vida.

“Nasci para ser...”. É uma máxima mentirosa e injusta. Somos o que a vida nos permite. O segredo reside em jogar com o que nos permite. Porém, o destino não é tirano, é plural. Acreditar que nos reduzimos a uma só vocação seria fazer tábua rasa da plasticidade e génio humano.

Os “fracos” são os fortes que recusam ser fracos. Tratar por tu o sofrimento tem a perversão de ora municiar o encontro connosco mesmos, ora obliterar-nos a necessidade de realização com o outro. Ser vencedor assenta no pragmatismo e valentia entre escolher um ou outro. Temos que saber ser sós com o outro.”

 

Rui Duarte e Pedro Bártolo


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 10:00  Comentar

Maputo | Moçambique

 pessoa(s) ligada(s)

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Articulistas

> Alexandra Vaz (PT)

> Ana Martins (PT)

> Cidália Carvalho (PT)

> Ermelinda Macedo (PT)

> Fernando Couto (PT)

> Fernando Lima (PT)

> Jorge Saraiva (PT)

> José Azevedo (PT)

> Leticia Silva (PT)

> Rui Duarte (PT)

> Sandra Pinto (PT)

> Sandra Sousa (PT)

> Sara Almeida (PT)

> Sónia Abrantes (PT)

> Tayhta Visinho (PT)

> Teresa Teixeira (PT)

Março 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
14
16

17
18
20
21
23

24
25
27
28
30

31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Parabéns Ana Martins, uma abordagem bastante suges...
Obrigado Denise, embora sinta que tenha sido basta...
Muito bom !Explicou exactamente o que eu penso!!!
Concordo plenamente caro Dr. Sendi, o facto é que ...
Gostei muito do artigo .Estou plenamente de acordo...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: