12.4.13

 

Há centenas de variedades de bambus, mais ou menos rígidas, com origem em todos os continentes à exceção da Europa, mas sempre flexíveis. Ao que parece há pelo menos uma, o bambu chinês, que após semeada, dedica cerca de cinco anos desenvolvendo as suas raízes, tanto para baixo como para os lados, e só após esse longuíssimo período começa a crescer acima do solo. E como o bambu cresce rapidamente, então!

O bambu está cada vez mais disseminado e é cada vez mais utilizado pelo homem, nas mais diversas áreas, desde a química à construção antissísmica de edificações.

 

É do senso comum dizer-se que “a vida é dura”. Até poderíamos estender este conceito a todos os seres vivos, mas o enunciado é dirigido ao Homem e à sua expressão gregária, a vida em sociedade. Especialmente a sociedade atual, que estrutura e empilha, em espaços mais ou menos pequenos, milhões, dezenas de milhões de pessoas, é muito dura, chega a ser de uma violência tal que pode aniquilar, destruir o indivíduo.

 

Ainda que se vá ensinando, amparando, prevenindo as crianças, depois jovens, de que os ‘nãos’, as regras estabelecidas e praticadas, as dificuldades que têm que enfrentar na família, na escola, com os amigos e os menos amigos; ou, por outra via mas com o mesmo objetivo, ainda que se permita, proporcione ou mesmo provoque a liberdade de opções, a liberdade de experimentar, para daí antecipar, vivenciar e estabelecer raízes; como é que depois, chegados à idade adulta, mais bem aguentamos os embates da vida, a violência da sociedade, cada vez mais desumanizada, como é que melhor se consegue superar e contornar o choque da força bruta dessa violência?

 

Voltemos ao bambu, às suas raízes longamente desenvolvidas abaixo do solo e à flexibilidade acima do solo que lhe permite, por mais alto que seja, enfrentar as maiores tempestades mesmo os terramotos. Raízes e flexibilidade são os dados da equação para superar a violência.

 

Há fenómenos na natureza mais violentos que um terramoto?

 

Jorge Saraiva


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:00  Comentar

Maputo | Moçambique

 pessoa(s) ligada(s)

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Articulistas

> Alexandra Vaz (PT)

> Ana Martins (PT)

> Cidália Carvalho (PT)

> Ermelinda Macedo (PT)

> Fernando Couto (PT)

> Fernando Lima (PT)

> Jorge Saraiva (PT)

> José Azevedo (PT)

> Leticia Silva (PT)

> Rui Duarte (PT)

> Sandra Pinto (PT)

> Sandra Sousa (PT)

> Sara Almeida (PT)

> Sónia Abrantes (PT)

> Tayhta Visinho (PT)

> Teresa Teixeira (PT)

Abril 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

14
15
17
18
20

21
22
24
25
27

28
29


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Parabéns Ana Martins, uma abordagem bastante suges...
Obrigado Denise, embora sinta que tenha sido basta...
Muito bom !Explicou exactamente o que eu penso!!!
Concordo plenamente caro Dr. Sendi, o facto é que ...
Gostei muito do artigo .Estou plenamente de acordo...
Há uma força interior que nos orienta nas decisões...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: