12.4.13

 

Há centenas de variedades de bambus, mais ou menos rígidas, com origem em todos os continentes à exceção da Europa, mas sempre flexíveis. Ao que parece há pelo menos uma, o bambu chinês, que após semeada, dedica cerca de cinco anos desenvolvendo as suas raízes, tanto para baixo como para os lados, e só após esse longuíssimo período começa a crescer acima do solo. E como o bambu cresce rapidamente, então!

O bambu está cada vez mais disseminado e é cada vez mais utilizado pelo homem, nas mais diversas áreas, desde a química à construção antissísmica de edificações.

 

É do senso comum dizer-se que “a vida é dura”. Até poderíamos estender este conceito a todos os seres vivos, mas o enunciado é dirigido ao Homem e à sua expressão gregária, a vida em sociedade. Especialmente a sociedade atual, que estrutura e empilha, em espaços mais ou menos pequenos, milhões, dezenas de milhões de pessoas, é muito dura, chega a ser de uma violência tal que pode aniquilar, destruir o indivíduo.

 

Ainda que se vá ensinando, amparando, prevenindo as crianças, depois jovens, de que os ‘nãos’, as regras estabelecidas e praticadas, as dificuldades que têm que enfrentar na família, na escola, com os amigos e os menos amigos; ou, por outra via mas com o mesmo objetivo, ainda que se permita, proporcione ou mesmo provoque a liberdade de opções, a liberdade de experimentar, para daí antecipar, vivenciar e estabelecer raízes; como é que depois, chegados à idade adulta, mais bem aguentamos os embates da vida, a violência da sociedade, cada vez mais desumanizada, como é que melhor se consegue superar e contornar o choque da força bruta dessa violência?

 

Voltemos ao bambu, às suas raízes longamente desenvolvidas abaixo do solo e à flexibilidade acima do solo que lhe permite, por mais alto que seja, enfrentar as maiores tempestades mesmo os terramotos. Raízes e flexibilidade são os dados da equação para superar a violência.

 

Há fenómenos na natureza mais violentos que um terramoto?

 

Jorge Saraiva


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Abril 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

14
15
17
18
20

21
22
24
25
27

28
29


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: