26.4.13

 

Violência é um assunto sério e grave. Sério, devido às consequências que acarreta, e grave, porque vive de forma gratuita e premente em todas as esferas da vida humana.

Violência é uma intimidação que se faz sobre alguém, empregando recursos coercivos ou manipulatórios, derivados de algum tipo de força.

Mas eu coloco-me a seguinte questão: será que comportamentos autodestrutivos e autopunitivos serão uma manifestação menor de violência crassa? Será que a verdadeira violência não começa com todos aqueles pensamentos, emoções, hábitos e atitudes que nos levam a experimentar uma infelicidade autoimposta?

Estaremos nós, individual e coletivamente, viciados na infelicidade, depressão e desespero?

Será que a felicidade, o bem-estar e todas as emoções positivas serão um direito ou um dever?

A OMS (Organização Mundial da Saúde) define violência como a “imposição de um grau significativo de dor e sofrimento evitáveis.” E aqui a palavra “evitáveis”, no meu entendimento, poderá dar início a uma explanação melhor do conceito. Assédio físico ou moral, agressão, coerção, dominação, guerra, ódio, entre outras, são expressões de violência que ainda predominam nas manifestações socioculturais por todo o mundo “civilizado”.

A violência existe devido aos valores caducos de uma sociedade patológica, dominado pelo vil metal, pelos interesses egoístas, desde o domínio pessoal até ao nacional. A primitividade da defesa pelo próprio território… proteção do próprio clã.

Porque será que todos nós temos tanta dificuldade em acompanhar os ritmos da mudança, em fazer concessões que beneficiariam a todos, mesmo que esse benefício tivesse um custo e só trouxesse mais tranquilidade a médio/longo prazo, e com isso aumentássemos a nossa capacidade de promover uma sociedade justa, equilibrada, feliz?

Os conflitos – causas dos atos de violência – serão meramente geracionais, ideológicos, socioculturais, económicos, religiosos… ou terão a sua origem nos conflitos interiores, íntimos, de quem não quer abdicar da “razão”, da certeza, da segurança, do seu próprio e exclusivo interesse individual?

Deixar-se vitimizar ou impor subjugação são duas atitudes inadequadas, que apesar de trazerem algum tipo de ganho imediato para os seus promotores, acarretam prejuízos emocionais, mentais, relacionais e civilizacionais.

Violência é um atestado de incompetência humana, em que o homem desiste da lógica e de viver com humanidade.

 

Marta Silva (articulista convidada)


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Abril 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

14
15
17
18
20

21
22
24
25
27

28
29


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: