26.4.13

 

Violência é um assunto sério e grave. Sério, devido às consequências que acarreta, e grave, porque vive de forma gratuita e premente em todas as esferas da vida humana.

Violência é uma intimidação que se faz sobre alguém, empregando recursos coercivos ou manipulatórios, derivados de algum tipo de força.

Mas eu coloco-me a seguinte questão: será que comportamentos autodestrutivos e autopunitivos serão uma manifestação menor de violência crassa? Será que a verdadeira violência não começa com todos aqueles pensamentos, emoções, hábitos e atitudes que nos levam a experimentar uma infelicidade autoimposta?

Estaremos nós, individual e coletivamente, viciados na infelicidade, depressão e desespero?

Será que a felicidade, o bem-estar e todas as emoções positivas serão um direito ou um dever?

A OMS (Organização Mundial da Saúde) define violência como a “imposição de um grau significativo de dor e sofrimento evitáveis.” E aqui a palavra “evitáveis”, no meu entendimento, poderá dar início a uma explanação melhor do conceito. Assédio físico ou moral, agressão, coerção, dominação, guerra, ódio, entre outras, são expressões de violência que ainda predominam nas manifestações socioculturais por todo o mundo “civilizado”.

A violência existe devido aos valores caducos de uma sociedade patológica, dominado pelo vil metal, pelos interesses egoístas, desde o domínio pessoal até ao nacional. A primitividade da defesa pelo próprio território… proteção do próprio clã.

Porque será que todos nós temos tanta dificuldade em acompanhar os ritmos da mudança, em fazer concessões que beneficiariam a todos, mesmo que esse benefício tivesse um custo e só trouxesse mais tranquilidade a médio/longo prazo, e com isso aumentássemos a nossa capacidade de promover uma sociedade justa, equilibrada, feliz?

Os conflitos – causas dos atos de violência – serão meramente geracionais, ideológicos, socioculturais, económicos, religiosos… ou terão a sua origem nos conflitos interiores, íntimos, de quem não quer abdicar da “razão”, da certeza, da segurança, do seu próprio e exclusivo interesse individual?

Deixar-se vitimizar ou impor subjugação são duas atitudes inadequadas, que apesar de trazerem algum tipo de ganho imediato para os seus promotores, acarretam prejuízos emocionais, mentais, relacionais e civilizacionais.

Violência é um atestado de incompetência humana, em que o homem desiste da lógica e de viver com humanidade.

 

Marta Silva (articulista convidada)


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:00  Comentar

Maputo | Moçambique

 pessoa(s) ligada(s)

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Articulistas

> Alexandra Vaz (PT)

> Ana Martins (PT)

> Cidália Carvalho (PT)

> Ermelinda Macedo (PT)

> Fernando Couto (PT)

> Fernando Lima (PT)

> Jorge Saraiva (PT)

> José Azevedo (PT)

> Leticia Silva (PT)

> Rui Duarte (PT)

> Sandra Pinto (PT)

> Sandra Sousa (PT)

> Sara Almeida (PT)

> Sónia Abrantes (PT)

> Tayhta Visinho (PT)

> Teresa Teixeira (PT)

Abril 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

14
15
17
18
20

21
22
24
25
27

28
29


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Parabéns Ana Martins, uma abordagem bastante suges...
Obrigado Denise, embora sinta que tenha sido basta...
Muito bom !Explicou exactamente o que eu penso!!!
Concordo plenamente caro Dr. Sendi, o facto é que ...
Gostei muito do artigo .Estou plenamente de acordo...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: