7.5.13

 

Não me recordo de um único dia em que a violência não tenha estado presente na minha vida. Eu sei... Escrito assim pode causar algum espanto e até indignação. Contudo estou convicto que não falho na memória. Para mim a violência é algo global, comum, mas também pessoal. Não me refiro ao objeto da violência, mas sim à violência como objeto. O que eu considero como violento poderá não o ser para outro. Sendo assim, o que considero eu, então, violento? Simplesmente algo que me cause dano. Em qualquer dimensão da vida.

 

Posso dizer-vos que tenho preferências quanto à violência. Prefiro a violência psicológica à física, no sentido em que a primeira pode ser experimentada oniricamente ou em fantasia. A segunda já não. Contudo, é por demais aceite que as marcas mais profundas são causadas pela primeira. Mas a categorização da violência não se fica por aqui. Existem ainda a auto e hetero violência, elas próprias que também podem ser psicológicas ou físicas. Também aqui confesso que tenho as minhas preferências. “Apenas” pelo facto de ter o lócus de controlo, ou a ilusão de tal, inclino-me mais para a “autoviolência”. E talvez, pensando bem, até seja esta mesma a que mais afincadamente praticamos.

 

E por falar em prática da violência... Não acham que se um dia fosse possível erradicar a violência do ser humano, não estaríamos a erradicar “o” ser humano? E isso para a nossa espécie não seria uma violência? Atenção que não estou a advogar a perpetuação da violência ou a desadequação do conceito do aprimorar civilizacional. Limito-me a argumentar que a violência é em parte a base do que somos e do que nos constitui. Enquanto povos e enquanto indivíduos. E isso parece-me ser inegável.

 

Voltando à violência na minha vida: remetendo apenas para acontecimentos recentes, digo-vos que não quis ver imagens do atentado de Boston, onde, pelo que me foi relatado, foi possível observar corpos mutilados e membros decepados. E afastando do pensamento o consciente que medeia a realidade da ficção, cuidando apenas da violência pela violência, digo-vos que ontem me deu certo prazer em ver ser decepada a mão do Jaime Lannister no Game of Thrones. É... a violência tem destas coisas.

 

Rui Duarte


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:00  Comentar

Maputo | Moçambique

 pessoa(s) ligada(s)

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Articulistas

> Alexandra Vaz (PT)

> Ana Martins (PT)

> Cidália Carvalho (PT)

> Ermelinda Macedo (PT)

> Fernando Couto (PT)

> Fernando Lima (PT)

> Jorge Saraiva (PT)

> José Azevedo (PT)

> Leticia Silva (PT)

> Rui Duarte (PT)

> Sandra Pinto (PT)

> Sandra Sousa (PT)

> Sara Almeida (PT)

> Sónia Abrantes (PT)

> Tayhta Visinho (PT)

> Teresa Teixeira (PT)

Maio 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
13
15
16
18

19
20
22
23
25

26
27
29
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Parabéns Ana Martins, uma abordagem bastante suges...
Obrigado Denise, embora sinta que tenha sido basta...
Muito bom !Explicou exactamente o que eu penso!!!
Concordo plenamente caro Dr. Sendi, o facto é que ...
Gostei muito do artigo .Estou plenamente de acordo...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: