14.5.13

 

A violência nasce de uma sensação de poder. Uma sensação, note-se, o que não equivale a um facto: podemos sentir-nos poderosos, mais fortes do que outra pessoa, e estar completamente enganados. Mas é assim a natureza. Pensamos: “Sou mais forte e mais esperto, logo posso vencer o fraco e o tolo”.

É a chamada lei da selva, a qual se torna imediatamente ilegítima a partir do momento em que a luta pela sobrevivência não entra na equação. Ninguém precisa de matar a mulher para que lhe sirva de alimento e assim salvar-se da fome, pois não? O exemplo é absurdo – e exagerado – para que a resposta seja óbvia.

Mas, e se a pergunta for: Tenho de tirar este homem daqui, pois está no meu território? Ou: Depois de me empurrares, que resposta mereces além de uma sova valente? Pior: E se o autor das perguntas estiver na faixa de Gaza? Pois, é fácil a coisa complicar-se...

Tal como deve ter sido complicado para Gandhi trocar o conforto de uma carreira de advogado, para a qual tinha estudado, e dedicar a vida combater a opressão – simplesmente porque um dia foi expulso de um comboio na África do Sul por ter a pele escura.

Por alguma razão foi ele – e não tantos outros que sofreram humilhações semelhantes em lugares dominados por preconceitos raciais e crenças antigas, muitas vezes infelizes e até anti-humanas – que ficou para a História. Sabe porquê? Porque optou por um tipo de luta nunca antes testado. Ou, pelo menos, nunca devidamente fundamentada e exemplarmente exercida, além de divulgada por escrito e oralmente, como ele o fez: a luta não-violenta.

Porém, a motivação para se optar pela não-violência – que deve começar no quotidiano, quando prefere voltar as costas a dar um soco no chefe, fazer greve a partir o escritório, procurar consensos antes de desatar ao pontapé, mas também barricar-se ou distribuir panfletos para marcar uma posição ou denunciar uma injustiça – não pode ser, em circunstância alguma, obter fama ou alcançar um estatuto heróico (querer ser um novo Gandhi), pois a vida não é um reality-show, nem a nossa conduta é um papel teatral.

Portanto, a primeira condição para ter sucesso ao optar pela não-violência é acreditar no que defende, ter um comportamento genuíno, que nasça do coração – tal como é do coração, ou de outra víscera qualquer mas decerto profundamente interior, que a violência costuma nascer. E não há maneira de combatê-la se o fizermos pela rama, à superfície, para outros verem e alcançar a glória.

Assim sendo, a mudança (da resposta violenta a qualquer tipo de opressão para outra, não-violenta) deve vir acompanhada de uma certa fé num mundo melhor, numa humanidade não-violenta.

E isso tem de começar em cada um de nós, sem esperar aplausos ou entrevistas na televisão, de preferência em forma de amor por todos os seres humanos – incluindo os violentos, pelos quais devemos sentir compaixão por não serem capazes de dominar a sua febre de poder em relação ao outro – que é sempre errada quando o alvo da sua ira é da mesma espécie, de carne e ossos e também com sentimentos. Mesmo se está no seu território. Ou lhe seduz a namorada. Ou faz troça de si. A resposta, para um coração à Gandhi – que em alastrando poderia dar origem à paz mundial – deve ser sempre não-violenta. E quem a escolhe deve sentir-se orgulhoso e fazer ouvidos moucos aos que o espicaçam, dizendo disparates como: “Bateu-te? Bate-lhe também!”

É verdade que “comer e calar” pode baixar a auto-estima... Mas só se a vítima aceitar que o agressor é, de facto, mais forte ou melhor – coisa que a nossa sociedade, na cegueira do sucesso e da competitividade, alimenta. É urgente mudar mentalidades e mostrar que forte e inteligente é aquele que consegue dominar os impulsos e nunca desce ao nível das bestas, cujo lugar é na selva, à mercê dos leões esfaimados, que não têm outro remédio senão matar para comer.

 

Berta Cem Mil (articulista convidada)


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Maio 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
13
15
16
18

19
20
22
23
25

26
27
29
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: