17.5.13

 

Quando era pequenina, sonhava com um mundo de fantasia no qual eu gostaria de viver juntamente com a minha família, todos os meus amigos, os meus periquitos e a minha cadela, para todo o sempre. Cresci um pouquinho mais e ensinaram-me que também é provável a junção com outra pessoa que passa a ser a nossa família para todo o sempre. Ensinaram-me também que continuamos a crescer, estudamos, temos um emprego estável e começamos a constituir família e que tudo fica bem se isto acontecer.

Ora, depois de crescer mais um pouco, já não foram só as pessoas que me ensinaram mas uma outra força, talvez a mais forte: a vida. Esta ensinou-me que, para além do que é confortável, normal, previsto, esperado e desejado pela sociedade em geral, há muito mais vida, muito mais a conhecer. Para isso, e em conjunto com a expressão dita muitas vezes mas não percebida de imediato, “Tens que arriscar!”, há um mundo a explorar, pois cada explorador encontra nele o que de melhor há, e às vezes nem precisamos de navegar muito para este encontro.

Dito desta forma parece fácil e aliciante, mas não é assim tão simples… Depois de perdermos alguns entes queridos, porque envelheceram e a lei da natureza assim o dita, não escapando os periquitos e a cadela também, percebemos que há aspetos que não são eternos. O “para todo o sempre” cai por terra. Perdemos o primeiro príncipe encantado, aquele que pensámos que seria para “todo o sempre”, mudamos de curso porque afinal não era bem aquilo que eu gostava, saltitamos de profissão em profissão porque não encontrámos o local certo ou a melhor oportunidade.

Levantam-se questões, muitas questões… Será que vale a pena arriscar e ir estudar para fora? Ao estudar aqui ganho o mesmo… Será que vale a pena aceitar sair com aquele rapaz e mostrar o meu carinho por ele? Nada é eterno e isto correrá mal outra vez… Será que vale a pena sair da casa dos pais e ir morar sozinha? Eles acabarão por ficar sozinhos também, pois os pais deles envelheceram e no final ficamos todos sozinhos… Será que vale a pena emigrar para ter um emprego supostamente melhor? Afinal, farto-me de trabalhar na mesma e ao final de um tempo terei que trocar novamente…

Arrisco ou não arrisco? Vou ou não vou? Ou melhor, por onde vou? Com quem?

Se alguém tivesse as respostas a estas perguntas seria a pessoa mais popular, pois seria como adivinhar o totoloto.

É certo que podemos traçar o nosso caminho, mas tendo presente estas questões, nunca com certezas que tudo será como esperamos e desejamos, ajuda em muito a não desilusão.

Quando chega mais uma fase da vida em que a pergunta surge, “vou ou não vou?”, eu vou! O corpo humano é feito de movimento. Parar e fechar caminhos é morrer, mesmo que o caminho seja ficar parado, em reflexão para depois seguir em frente. Refletir também é agir e há quem diga que se age muito melhor assim, refletindo.

Utilizando a expressão de alguém, “a vida não é só a nossa bolinha de ténis!”. Se cairmos, levantamo-nos outra vez, regressamos, voltamos atrás, traçamos novos caminhos. Importa ir, sabendo que vamos.

 

Sónia Abrantes


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:00  Comentar

Maputo | Moçambique

 pessoa(s) ligada(s)

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Articulistas

> Alexandra Vaz (PT)

> Ana Martins (PT)

> Cidália Carvalho (PT)

> Ermelinda Macedo (PT)

> Fernando Couto (PT)

> Fernando Lima (PT)

> Jorge Saraiva (PT)

> José Azevedo (PT)

> Leticia Silva (PT)

> Rui Duarte (PT)

> Sandra Pinto (PT)

> Sandra Sousa (PT)

> Sara Almeida (PT)

> Sónia Abrantes (PT)

> Tayhta Visinho (PT)

> Teresa Teixeira (PT)

Maio 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
13
15
16
18

19
20
22
23
25

26
27
29
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Parabéns Ana Martins, uma abordagem bastante suges...
Obrigado Denise, embora sinta que tenha sido basta...
Muito bom !Explicou exactamente o que eu penso!!!
Concordo plenamente caro Dr. Sendi, o facto é que ...
Gostei muito do artigo .Estou plenamente de acordo...
Há uma força interior que nos orienta nas decisões...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: