11.8.13

 

O calendário mostrava, para quem para ele olhasse, que a década era a de 60 (do século XX). E naquele tempo não havia enganos, as férias grandes eram mesmo como o nome indicava: Grandes! Começavam mesmo no meio do mês de junho e só terminavam quando o mês de setembro partia. Eram três meses e meio bem recheados de descanso e de cansaço, de brincadeiras, de atrevimento e de aprendizagem, nas atividades de rua com os outros miúdos. Até fartar, até esquecer o conceito de escola. Os pais não queriam obsessivamente encaixar os filhos em qualquer lugar, para poderem ir tranquilamente para a sua vida; conseguiam andar tranquilos, mesmo com os filhos ao pé. As mães estavam em casa a tratar da família. Não existia o conceito de ocupação de tempos livres, pois o tempo livre não era assim como que um defeito que era necessário ocupar, mas sim uma realidade boa, para ser vivida e desfrutada por todos. E no Porto daquele tempo, as crianças encontravam-se na rua, brincavam na rua, brigavam na rua, partiam ossos na rua, aprendiam no convívio e nos desafios da rua, nos riscos da rua, a serem adultos.

E no meio de todo aquele consolo de viver umas férias imensas, intensas de despreocupação, encaixavam-se duas semanas de ida à praia, para a Foz, para o Castelo do Queijo, ou para Matosinhos. O início dessa função era, para o João, a pior parte: tinha de ir ao médico, a uma consulta, para que ele visse se o João estava em boa condição física para aguentar a ida a banhos. Estava sempre em excelente condição; para quê aquele ritual? Certamente por muita preocupação de mãe… Atestada cientificamente a sua habilitação para as brincadeiras de praia, começava o ciclo das rotinas diárias.

A praia era para ser desfrutada bem cedo, quando havia mais iodo e o sol não impedia de pisar a areia, sinal de que era hora de partir. O João nasceu com um gene que não gosta de dormir e por isso sempre lutou para nunca adormecer, ou, na prática, adormecia apenas quando o corpo já não aguentava nem mais um esforço. Por isso, levantar às 7 horas da manhã era algo que só acontecia porque a mãe o retirava da cama. Do que acontecia durante a hora seguinte, tinha apenas uma ideia, por alguma imagem que teimava em entrar-lhe no cérebro, ou de ouvir a mãe contar. Ao que parece, aconteciam nessa hora alguns atos que tinham a ver com higiene pessoal, e com vestir-se, depois era o preparar da merenda, para ser devorada ao meio da manhã, sempre com o sabor a pouco (que a brincadeira na praia sempre deu muita mais fome do que na rua), sair para a rua em direção ao Marquês para o autocarro, o 20 ou o 21, em direção à Boavista, atravessar a rotunda até junto à remise e entrar no elétrico, o 17, o 18, ou o 19, em direção ao mar. Quando entrava no elétrico, por magia, o cérebro do João ligava-se; a partir daí a sua atividade era consciente. A próxima meia hora era o melhor do dia e da sua vida. Adorava os elétricos, em especial aqueles que tinham portas de fechar e eram fechados nos extremos, como o 364, como os carros. A mãe a e a irmã do João entravam no elétrico e dirigiam-se aos lugares sentados. O João, logo que sentia o cheiro do elétrico acordava, entrava nele pela porta de trás (como era regra naquele tempo), e dirigia-se, como um raio, à plataforma da frente, para se colocar ao lado do guarda-freio. A mãe que tratasse do bilhete com o condutor… E ali, de pé no seu posto, como se fosse um guarda-freio suplente, com a aragem da manhã a acariciar-lhe a cara, sonhava conduzir todos aqueles passageiros, naquela máquina, até à praia, pela Avenida da Boavista abaixo. A sua parte preferida começava quando as linhas nos dois sentidos se chegavam uma à outra no centro da avenida, sem se tocarem, o que acontecia a partir da Fonte da Moura. Dali em diante, a viagem decorria a maior velocidade, entre as paredes laterias feitas de plátanos. Quando cruzavam um elétrico que subia no sentido contrário, por instantes bem juntinhos, lado a lado, era um êxtase. E a partir de certa altura, o elétrico era inundado pelo cheiro do mar.

Pelas 8 e meia estava a pisar a areia e a partir daí já se sabe, era o banho no mar, as brincadeiras na areia, essas coisas menos interessantes. Mas na cabeça do João estava já a expetativa da viagem de regresso, no elétrico.

No regresso, a emoção não era tanta, pois o cansaço sobrepunha-se-lhe. Na rotunda, abandonava o elétrico já com saudades, atravessava penosamente o jardim, tolhido pelo cansaço, seguia no autocarro, que o adormecia embalando-o. Acordava pelo meio da tarde, ávido pelo lanche, sem perceber como chegara a casa e como é que o almoço lhe tinha ido parar ao seu estômago, como tinha sido digerido sem que desse conta. E acordava zangado. Sempre detestou as sestas, desde logo porque eram dormir, e depois, porque achava que sempre que acordava era um novo dia, e com uma sesta, um dia ficava feito em dois.

Já não há férias mesmo Grandes, com elétricos. É pena!

 

Fernando Couto


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Agosto 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

12
13
14
15
17

18
19
21
22
24

25
26
28
29
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: