3.9.13

 

Estas linhas de reflexão livre e espontânea corporizam um retrato de experiências vividas em diferentes dimensões, com ênfase para a atividade de pesquisa, com intuito de contribuir para o enriquecimento do debate em torno deste conceito, antes, longe ser um tema acabado é um constructo em estado latente e constante evolução.

A reflexão objectiva, perceber o ponto de convergência e o grau de relacionamente causístico entre conceitos largamente aplicados e semânticos, tais são informação, formação e conhecimento. E a verdade, qual o seu posicionamento nessa trindade? A ciência como o instrumento racional da humanidade; qual o seu contributo neste debate? Estas e outras questões são as vertentes que irão orientar este percurso de análise imperfeito, diga-se, por deixar de fora algumas lides interessantes e imprescindíveis como a filosofia que deveria ocupar um lugar de destaque neste e outros debates, e ainda outros campos universais que queiram reivindicar a hegemonia deste(s) conceito(s).

Não poderia iniciar este artigo sem reconhecer que a informação é matéria-prima bruta da formação, ressalvando que o conhecimento resulta do processamento da informação através da inteligência - capacidade ou estado natural do ser humano quando pontifica a racionalidade, sempre que este conhecimento possa ser comprovado numa realidade e contexto próprio, tornando-o universalmente aceite.

O principal delivery da formação é o conhecimento, o denominador comum das diferenças resultantes da liberdade intelectual. Sem pôr em causa a democracia, o conhecimento é elemento central na mediação das dissidências através da emergência de consensos, ponto de inflexão para o almejado desenvolvimento intelectual. A condição primordial para a capitalização do conhecimento é a operacionalização de uma plataforma de geração e transferência livre de conhecimento. A este nível, a gestão do conhecimento figura como uma disciplina da gestão catalizadora do processo de reprodução, geração e disseminação do conhecimento. A vitalidade do conhecimento reside na sua ampla divulgação socorrendo-se das facilidades trazidas pelas TIC, onde a maior proeza dos agentes desse processo reside na participação ativa na advocacia e aplicação prática do conhecimento, este último estágio afigura-se crucial para a sua validação e retroalimentação em função do imprescendível feedback que obtém-se da interacção com as outras pessoas.

A consolidação da formação é um itinerário de longo prazo que consubstancia-se no compromisso com a descoberta, com a verdade que sendo ela infinita incita a renovação da formação, em ato contínuo proclama a independência relativamente aos hábitos e costumes até então vigente, ou até no limiar o conhecimento natural que pode não se configurar necessariamente em dogma.

A busca da verdade deve ser um ato contínuo, nunca um ato isolado, uma forma de ser e de estar. Esse comportamento enceta a rutura do (1) status quo, (2) da indiferença perante fatos e (3) da ingorância ou negação de sua própria existência. A intrusão da rocha é em si um ato de descoberta na crença de encontrar-se outra formação natural que não seja a litosfera, o inconformismo no seu ponto mais alto.

Se considerarmos que o conformismo não impulsiona o alcance da verdade genuina, então importa diferenciar duas dimensões ou estados do homo sapiens sapiens: aquele que detém quantidade ou qualidade de informação. Claramente a quantidade de informação não é sustentável a longo prazo, avaliado pela utilidade prática no processo de tomada de decisão. O elemento diferenciador destes dois estágios de desenvolvimento intelectual com impacto a nível comportamental do indivíduo é a maturidade da inteligência, que atua como filtro de retenção da qualidade de informação formando uma pessoa com ideias e crenças próprias, daí a preciosidade do capital intelectual ser um recurso único e diferenciador.

 

António Sendi (articulista convidado)


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:00  Comentar

De Jose Carlos a 18 de Setembro de 2013 às 20:04
Vou estando atento e realizando os meus comentários, desde que possa ou saiba como contribuir. Os 3 pilares que referi, numa óptica inclusiva (interdependência) são muito importantes para o desenvolvimento das organizações e do desenvolvimento pessoal (sir do processo como uma melhor pessoa) - as empresas são pessoas, logo para desenvolver a empresa será suficiente um investimento nelas pois o desenvolvimento da organização/negócio dá-se naturalmente.
Note que no processo de mudança e de desenvolvimento o sucesso está na minha opinião não tanto nos resultados que se atingem mas sim na pessoa que nos tornamos nesse processo, e sempre com o combustível (desafio) que alimenta essa transformação. A vantagem competitiva com que ficamos no final permite-nos replicar o modelo, apresentando-nos ainda mais competitivos em novos desafios (entre o que sou e o que quero que seja!).

De Jose Carlos a 5 de Setembro de 2013 às 01:32
Parabéns pelo artigo, se o autor me permite um breve resumo acerca do mesmo tomaria a liberdade de dizer o seguinte:
A informação é algo que hoje em dia está claramente democratizada e acessível a todos, o conhecimento não, pois chamar-lhe-ia informação relevante, ou no limite toda a informação passa a ser relevante quando lhe aplicamos "filtros" ou a "lentes" com que queremos digerir a mesma...sendo que acabamos por encontrar aquilo que procuramos em função do nosso foco.
Pilares para o desenvolvimento pessoal, para a mudança (que atesta estarmos vivos e com abertura para nos adaptarmos) são 3 componentes - o conhecimento(1), os instrumentos(2) e a atitude(3). Oportunamente continuarei esta discussão devido ao adiantar da hora!

De Cidadão Atento a 13 de Setembro de 2013 às 17:17
Caro José Carlos,
Concordo consigo, a democratização da informação in extremis aproxima-se a um bem livre, tornando-se acessível aos seus utentes. O mesmo não ocorre relativamente as fontes de informação, dependendo da natureza da fonte e da qualidade de informação, o acesso a informação de domínio público tem sido um dos entraves ao almejado desenvolvimento humano.
Obrigado pelo comentário pertinente, criou algum debate, pena que tenha reagido somente agora.
Abraço

Maputo | Moçambique

 pessoa(s) ligada(s)

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Articulistas

> Alexandra Vaz (PT)

> Ana Martins (PT)

> Cidália Carvalho (PT)

> Ermelinda Macedo (PT)

> Fernando Couto (PT)

> Fernando Lima (PT)

> Jorge Saraiva (PT)

> José Azevedo (PT)

> Leticia Silva (PT)

> Rui Duarte (PT)

> Sandra Pinto (PT)

> Sandra Sousa (PT)

> Sara Almeida (PT)

> Sónia Abrantes (PT)

> Tayhta Visinho (PT)

> Teresa Teixeira (PT)

Setembro 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
14

15
16
18
19
21

23
25
26
28

30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Parabéns Ana Martins, uma abordagem bastante suges...
Obrigado Denise, embora sinta que tenha sido basta...
Muito bom !Explicou exactamente o que eu penso!!!
Concordo plenamente caro Dr. Sendi, o facto é que ...
Gostei muito do artigo .Estou plenamente de acordo...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: