13.9.13

 

Uma senhora, cujos cabelos de prata denunciam a avançada idade, aproxima-se, timidamente, da Pessoa.

- Desculpe… não queria incomodar, mas… tenho tanta fome… será que não me poderia arranjar alguma coisinha para eu comprar o que comer?

Os seus modos são humildes, a sua indumentária simples mas elegante, e os seus cabelos exemplarmente penteados e apanhados atrás.

A Pessoa estremece enquanto vai conversando com a senhora sobre os porquês, os comos e as possíveis soluções para um problema que não se resolverá com o que quer que a Pessoa possa oferecer naquele momento. Estremece por pena, por culpa, por revolta, por um sentimento de atroz impotência.

Ao lado, Outra Pessoa assiste à conversa.

Entretanto, a Pessoa revolve a carteira. Depois, revolve o porta-moedas, deserto de notas e com poucos vestígios de moedas. E, por mais que vire, e revire entre talões e ganchos e outras insignificâncias, tudo o que consegue reunir são 50 cêntimo… que deposita, envergonhada, na mão da senhora.

- Não dá nem para uma sopa! – responde a senhora com franca desolação.

A senhora estabelece agora contacto com a Outra Pessoa, que ali está, desde o início em enfadado silêncio:

- Talvez me possa arranjar mais qualquer coisa?...

A Outra pessoa não estremece. Nem procura na carteira.

- Procure ajuda junto das Instituições criadas para o efeito. É para isso que pago os meus impostos.

A Outra Pessoa age de forma defensiva, imune a sentimentalismos baratos e gastos. Detesta o facilitismo que a sociedade permitiu criar para estas pessoas viverem às custas, não do Estado, mas de outras pessoas, que já cumprem o seu papel de cidadãos, e de que maneira!

E sacode a Pessoa com o intuito de a chamar à Razão e pôr termo a este encontro incómodo.

A Pessoa despede-se em silêncio da senhora, com um abraço forte e quente, daqueles que dava aos seus avós como prova de um afeto sem fim.

 

Muitos dias depois, a Pessoa ainda pensa na senhora, com um desejo secreto de a voltar a encontrar, desta vez com uma carteira mais recheada, ou, melhor ainda, de a encontrar melhor, salva da injustiça social a que não pôde escapar.

A Outra Pessoa nunca mais pensou na senhora, porque o Estado é que tem essa função, e a sua mente deve ocupar-se de assuntos úteis, práticos e com resultados e benefícios. É isso que fazem os vencedores.

 

Uma Pessoa e uma Outra Pessoa, ambas expostas ao mesmo evento, respondem de forma diferente. Porquê?

Porque a inFormação (ou, mais claramente, a Formação individual) é diferente.

Resulta de um percurso de vida, da absorção de inFormação recolhida e filtrada a partir de diversas fontes. É uma espécie de Cartão do Cidadão interno, que prima pela singularidade, pois cada pessoa é única.

Mas tem um certo grau de transmissibilidade, já que cada pessoa pode enriquecer a sua inFormação a partir do contacto com outras pessoas.

Ou, mais desafiante ainda, uma pessoa pode modificar a sua inFormação a qualquer momento, pondo em perspetiva inFormações dissociantes e fazendo prevalecer a melhor, mesmo que isso implique uma mudança radical na sua forma de ser, estar, pensar.

Evoluir.

    

Sandrapep


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Setembro 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
14

15
16
18
19
21

23
25
26
28

30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: