18.10.13

 

A respiração calma e profunda denuncia que o marido se rendeu ao sono. O facto, só por si, não é nem anormal, nem bom, nem outra coisa qualquer que não seja proporcionar-lhe, a ela, um momento de libertação. Como sempre, depois da luta corpo a corpo, em que ele se esforça por exibir técnicas e performances habilidosas para lhe mostrar como é bom naquilo em que se empenha, no caso, possui-la, acaba por se render ao esforço e adormece. A luta dela é diferente, deixa-se possuir mas com grande esforço para não deixar transparecer o quanto é violentada. A ela o esforço não lhe dá sono, tira-lho. É então nesse momento, em que ele dorme e ela desperta, que pode livremente entregar-se aos seus pensamentos e à sua dor sem ter que justificar o seu silêncio com perguntas aborrecidas: “em que pensas?” “porque estás tão calada?” “pareces zangada, o que tens?”. Tem-se controlado nas respostas, uma palavra só tem sido suficiente para encerrar um diálogo que nunca o foi: “nada”. Mas, e se um dia ceder à insistência do marido e lhe revelar que não o ama, que nunca o amou e que se enganou ao pensar que o casamento seria a razão maior para esquecer a paixão por outro homem!... Como reagirá ele a esta verdade? E se cair na tentação de ser sincera e lhe disser como ele é ridículo a contorcer-se de prazer enquanto ela espera que o ato sexual acabe depressa e ele adormeça ainda mais depressa!... Como acomodará ele esta revelação? E se um dia, num gesto de pura ingenuidade, abrir o coração e lhe contar como se sente miserável neste engodo que ela própria armou!... Como ficará ela?

Afasta-o. Finca a perna no colchão e impulsiona o corpo para se sentar na cama. Ele mexe-se, dá meia-volta na sua direção e deixa cair o braço em cima dela num abraço sem sentido. Olha-o pelo canto do olho, verifica com alívio que ele continua a dormir. Repugna-lhe aquele braço forte e peludo a impedir-lhe os movimentos. Quer ignorar esta repulsa, silenciá-la mas não consegue, todo o seu corpo se retrai. Quer sentir aquele prazer que de insaciável se torna desesperante, mas é impossível, todo o seu corpo se fecha na intimidade do ato sexual.

Não é justo! Tudo é desencontro e desamor. Ela, alimentando a ideia de que um dia, sim, um dia ainda será feliz nos braços daquele que sempre a ignorou, não se vê como vítima das suas próprias fantasias e recusa outra realidade que não a idealizada. Ali mesmo ao seu lado, o marido, com a certeza de ter tudo controlado, dorme com a tranquilidade que a ignorância lhe permite.

 

Cidália Carvalho


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Outubro 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
14
16
17
19

20
21
23
24
26

28
30
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: