18.10.13

 

A respiração calma e profunda denuncia que o marido se rendeu ao sono. O facto, só por si, não é nem anormal, nem bom, nem outra coisa qualquer que não seja proporcionar-lhe, a ela, um momento de libertação. Como sempre, depois da luta corpo a corpo, em que ele se esforça por exibir técnicas e performances habilidosas para lhe mostrar como é bom naquilo em que se empenha, no caso, possui-la, acaba por se render ao esforço e adormece. A luta dela é diferente, deixa-se possuir mas com grande esforço para não deixar transparecer o quanto é violentada. A ela o esforço não lhe dá sono, tira-lho. É então nesse momento, em que ele dorme e ela desperta, que pode livremente entregar-se aos seus pensamentos e à sua dor sem ter que justificar o seu silêncio com perguntas aborrecidas: “em que pensas?” “porque estás tão calada?” “pareces zangada, o que tens?”. Tem-se controlado nas respostas, uma palavra só tem sido suficiente para encerrar um diálogo que nunca o foi: “nada”. Mas, e se um dia ceder à insistência do marido e lhe revelar que não o ama, que nunca o amou e que se enganou ao pensar que o casamento seria a razão maior para esquecer a paixão por outro homem!... Como reagirá ele a esta verdade? E se cair na tentação de ser sincera e lhe disser como ele é ridículo a contorcer-se de prazer enquanto ela espera que o ato sexual acabe depressa e ele adormeça ainda mais depressa!... Como acomodará ele esta revelação? E se um dia, num gesto de pura ingenuidade, abrir o coração e lhe contar como se sente miserável neste engodo que ela própria armou!... Como ficará ela?

Afasta-o. Finca a perna no colchão e impulsiona o corpo para se sentar na cama. Ele mexe-se, dá meia-volta na sua direção e deixa cair o braço em cima dela num abraço sem sentido. Olha-o pelo canto do olho, verifica com alívio que ele continua a dormir. Repugna-lhe aquele braço forte e peludo a impedir-lhe os movimentos. Quer ignorar esta repulsa, silenciá-la mas não consegue, todo o seu corpo se retrai. Quer sentir aquele prazer que de insaciável se torna desesperante, mas é impossível, todo o seu corpo se fecha na intimidade do ato sexual.

Não é justo! Tudo é desencontro e desamor. Ela, alimentando a ideia de que um dia, sim, um dia ainda será feliz nos braços daquele que sempre a ignorou, não se vê como vítima das suas próprias fantasias e recusa outra realidade que não a idealizada. Ali mesmo ao seu lado, o marido, com a certeza de ter tudo controlado, dorme com a tranquilidade que a ignorância lhe permite.

 

Cidália Carvalho


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Almeida

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Outubro 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
14
16
17
19

20
21
23
24
26

28
30
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: