21.3.09


 


Acordo de manhã. Mais um dia. Mais um dia que tenho que sair da cama e só me apetece ficar enterrada nos lençóis. Olho para a roupa que tenho em cima da cadeira. Não há nada que me apeteça vestir. Qualquer roupa que use nunca vai ser suficiente boa para pertencer ao grupo. Elas riem-se de mim, apontam o dedo.

Até a Carolina já não fala comigo. Agora são todas amigas. Que elas se riam, eu não quero saber. Agora ela? Eu nunca esperei… com quem converso agora? Quem me apoia quando as lágrimas estiverem a saltar dos meus olhos? A quem ligo quando em casa tudo desaba? A quem posso contar as dores que me vão no coração?

Em casa a Mãe diz que se elas me tratam assim é porque não merecem a minha amizade. Mas só eu sei o quanto gostava de fazer parte do grupo.

Só quero fugir daqui, e nunca mais aparecer. Será que se eu desaparecer elas vão sentir culpa? Quem sabe a minha falta?

A quem tento eu enganar? Eu sei que não… iam chamar-me fraca. Mas eu não sou fraca. Sinto-me sozinha, é só isso. Porque é que ninguém entende?

Dói-me o peito, sinto cá dentro uma mão que me aperta o coração. Tristeza, disse a psicóloga da escola. Sofro de tristeza.

Mas eu não sinto isso… não é tristeza. É solidão. Já ninguém se senta ao meu lado na sala. Já ninguém me acompanha nos intervalos, já ninguém faz o caminho de casa comigo.

Queria fechar os olhos e que tudo isto desaparecesse, que todas as dores acabassem. Queria voltar a rir, a gostar das pessoas, a ter amigos.

Continuo deitada na cama. Lá fora chove. É o céu a chorar comigo.

 

Filipa

 
Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 02:24  Comentar

De Anónimo a 23 de Março de 2009 às 22:48
Filipa

Entendo quando dizes que te sentes só e aos 14 anos podemos sentir tudo de uma forma bem mais intensa.
Quando eu tinha mais ou menos 14 anos eu também tive uma "Carolina", a minha melhor amiga...
Também me "trocou" por caminhos bem diferentes dos meus, senti-me enganada, traída , desiludida, logo ela a que falava exactamente a mesma linguagem que eu.
Também quis pegar numa borracha e apagar tudo e voltar a escrever a minha história...
E consegui reescreve-la porque encontrei novos amigos
e voltei a rir... aprendi que a minha Mãe tinha razão quando dizia que a "Carolina" não merecia a minha amizade porque conheci outras "Carolinas" que merecem a minha amizade até aos dias de hoje.

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Março 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13
14

16
18
20

22
23
24
26
27
28

30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: