10.11.13

 

Apesar de tudo, que bicho-de-sete-cabeças... Acredito mesmo que não exista tema tão antigo e tão transversal (no sentido de veículo garante de continuidade da espécie humana), que apresente tantos desafios e questões.

A heterossexualidade apresenta desafios. Quer a do próprio, quer a do outro (companheiro, amigo, vizinho, filho, pai e respetivos correspondentes femininos). A homossexualidade apresenta desafios. Mais uma vez, quer a do próprio quer a do outro (a juntar aos exemplos anteriores, a comunidade e a sociedade). Da bissexualidade, então, é melhor nem falar. E não se fala tanto desta porque é difícil até de a entender. Será por isso? Não sei... Uma vez alguém me disse, em contexto formativo no âmbito de Psicologia, que a natureza do comportamento sexual humano insere-se no princípio da busca do prazer. Até aqui tudo bem, penso eu e disto ninguém discordará. A masturbação dá-nos prazer, assim como o sexo com o outro. Não esquecer que mesmo para efeitos procriativos o prazer está presente. Tendo por génese o prazer, como elemento orientador do comportamento sexual, não deveríamos então ser nós bissexuais? Mais uma vez, não sei... A Grécia dos sábios filósofos e o império dos destemidos Romanos já lá vão...

O que temos hoje, então? Ou melhor, o que temos tido nos últimos dois milénios, então? Bem, se calhar temos uma “sexualidade judaico-cristã”. Nunca na história da Humanidade, a espiritualidade (e não religiosidade porque esta intrusão não é exclusiva dos correspondentes dogmas implícitos) tanto se imiscuiu no que se passa atrás de portas e por baixo dos lençóis. Infortúnio? Não sei... pela terceira vez. Afinal de contas o que é que eu sei?

1. Sei que a masturbação não cega ou faz crescer pelos nas mãos;

2. Sei que os primeiros a condenar tudo o que seja sexo são frequentemente os da linha da frente da hipocrisia;

3. Sei que nunca se viveu um tempo tão vergonhoso para algumas instituições sociais, educativas e espirituais, no que a escândalos sexuais diz respeito;

4. Sei que coisas como aceitação, equidade e “mente aberta” em relação à diferença normativa, são uma treta pegada (na generalidade da sociedade falando);

5. Sei que os casais gay/lésbico podem ser tão bons ou melhores pais/mães que alguns casais “tradicionais”;

6. Sei que ninguém tem alguma coisa a ver com o que se passa no quarto do vizinho, se o que lá se passar pautar pelo respeito e acordo mútuo;

7. Sei que o sexo e o ato masturbatório contribuem para o bem-estar físico e mental do indivíduo;

8. Sei que a homossexualidade não se apanha com abraços ou cumprimentos;

9. Sei que não deveria ser motivo de vergonha ter um filho gay;

10. Sei que a liberdade de escolha da orientação sexual é, neste país, uma escolha da liberdade;

11. Sei que, muitas vezes, é difícil falar de sexo com um filho;

12. Sei que a descoberta/utilização da parafernália de brinquedos sexuais existente mantém a sexualidade viva e de boa saúde;

13. Sei que se o meu sogro ler isto, não vai achar grande piada;

14. Sei que ter amigos gay não faz de mim cool ou cosmopolita e “aberto”;

15. Sei que ir a um “bar gay” não faz de mim... gay;

16. Sei que os meus filhos terão uma boa educação sexual, livre de preconceitos e informação errónea;

17. Sei que os meus filhos respeitarão a escolha, a liberdade e a individualidade da vida sexual de cada pessoa;

18. Sei que os meus filhos terão o seu espaço para descobrir a sua sexualidade e preferências na mesma;

19. Sei que os tabus sexuais são apenas fronteiras que ainda não foram, quando muito, abordadas;

20. Sei que o DSM IV-TR, da página 535 à página 582, não constitui uma verdade universal e indiscutível do que lá é tratado;

21. Sei que o sexo é BOM!

 

Rui Duarte


 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 10:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Novembro 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
13
14
16

17
18
20
21
23

24
25
27
28
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: