24.12.13

 

Sobre a liberdade, muito se apregoa, pouco se sente. A que chamo eu liberdade? Em que grilhões termina? Em que esquina se faz minha? A liberdade começa aqui, neste limite invisível que reconheço em mim e que por vezes me cega ao que está ao alcance do meu braço. Liberdade é eu saber que sou do tamanho daquilo que sinto, por mais que a vida se encarregue de me toldar o pensamento. A liberdade cabe em quartos diferentes, do hostel ao topo de gama. No entanto, leio-a à luz de que razão, meço-a em que escala? Escolho, realmente, ou seleciono apenas uma opção predefinida que eu, tal rato de laboratório, penso ter escolhido na íntegra? Seja lá o que for, algo me impele na busca dessa liberdade. A dá-la e a recebê-la. A alternativa: morrer em vida. E, quanto mais o digo, mais me perco nos meandros deste sentimento. Dentro de mim, a liberdade veste-se de cores diferentes, de sentidos distintos, de cheiros exóticos, de olhares múltiplos.

Ser livre é saber viver o que é único, ainda que atravessando o pior dos desertos. É aceitar a tremenda tarefa de dar tudo por tudo. De acreditar, de lutar, de viver em paz e sentir que nada, absolutamente nada, pode ser mais libertador. A liberdade é saber que já estamos em casa e que esse lugar, afinal, não é um sítio, é uma pessoa ou um sentimento. É descobrir um oásis de liberdade dentro de um par de braços, enquanto o mundo lá fora colapsa. Ou então, não preencher a outra metade da cama, mas estar em casa dentro de si, sem vazios nem suplícios. Liberdade é não ter frio, nem fome, nem maleitas e, ainda que seja mais o que mina do que aquilo que estrutura, e se acabe a ter isso tudo, caminhar sem grilhões permanentes. As crenças e as vontades que condicionam são mutáveis, sensíveis ao que em torno de si gravita. Significa que é (quase) sempre possível inverter o sentido de uma história que começou mal, mas significa também que não há enzima que nos valha se a alimentarmos de uma paranóia gourmet. Quando se diz que um momento pode mudar uma vida é mesmo verdade. Out of the blue, uma parcela de um único dia pode alterar completamente a rota. E nada mais será igual. Parece coisa de filme, mas não é. As coisas mais incríveis acontecem em pequenas brisas do quotidiano, roubando por completo a liberdade ou dando-a de forma miraculosa. Na vida de todos nós, na vida que se espera diária e longa, desejamos “antes” bem resolvidos e arquivados (ou incinerados, depende muito da natureza do “antes”, claro está…) e um “agora mesmo” que não permita uma única brecha na alma. O sentimento de pertença (não de posse) que se faz num tempo comum pode iniciar a jornada. E começa a verdadeira liberdade. Desempacotar a bagagem, sobretudo aquela que tresanda, com alguém que se sente mais fundo, e não ser apelidado com nomes pré-históricos é algo de uma beleza incrível. A verdadeira liberdade é ser-se de alguém quando só isso faz sentido. Se tudo corre bem, a confiança e a reciprocidade validam essa liberdade todos os dias. Acredito que nas histórias de uma vida inteira, as que são feitas de várias camadas de pele e afetos (e não de resignações comuns, de males “menores”, ou interesses desinteressantes), a liberdade terá sempre existido e, só por essa razão, as pessoas escolheram ficar lado a lado. Porque mais nada faria sentido. É muito bonito de se ver. Quem carrega grilhões: o all in one ou o “dividir para reinar”? O tipo que faz a aposta da sua vida ou aquele que tem várias apólices de seguros, com nomes singelos como Gertrudes, Hortência ou Tânia Vanessa; Zeca, Asdrúbal ou Fábio Igor?

A minha liberdade começa em mim e não pode acabar no outro ou eu estaria, para sempre, à sua mercê. Da mesma forma, não quero o outro ao sabor dos meus caprichos. A minha verdade não é a verdade do outro, não é a verdade do mundo. Gosto de pensar que é possível coexistir sem atropelos. E ainda que, na vida social e profissional, esteja condicionada por múltiplas variáveis e hierarquias, dentro de mim, a minha liberdade não tem mais fim porque não existe finitude na estratosfera da minha alma. Nela percorro uma estrada que condiciona, cada vez mais, a circulação de azedumes, histórias macabras e memórias de arrepiar, mas na qual circulam em via verde os meus sonhos e os meus desejos, sem limite de velocidade. Resgatando a liberdade, quilómetro a quilómetro, todos os dias da minha vida. Só assim me sinto verdadeiramente livre.  

 

Alexandra Vaz

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 10:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Dezembro 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
14

16
18
19
21

23
25
26
28

30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: