23.5.09


 


Nos últimos tempos temos assistido, de uma forma algo voyer, a casos ocorridos nas salas de aulas portuguesas, que foram gravados e que posteriormente amplamente difundidos e comentados na comunicação social.

Ora até aí, parece que nada de anormal há neste processo, no entanto e não querendo retirar a gravidade dos casos difundidos, parece-me que por vezes somos muito rápidos nos julgamentos que fazemos dos actores destas tramas e esquecemos toda a envolvência destas situações.

 

Quando lia o editorial do Destak, da autoria da Isabel Stilwell, não pude deixar de ficar admirado com a rapidez com que colocamos etiquetas às pessoas, tendo por base um determinado momento das suas vidas, como se esse momento espelhasse toda a personalidade e toda a história de uma vida.

Talvez por (de)formação académica não consegui ficar confortável com a etiqueta de mal educada que a referida autora do editorial colou à professora que, por estes dias, anda na boca do mundo (e não, não sou professor, nem para lá caminho).

Posso estar a ser inocente ou ingénuo, mas acredito que por trás das atitudes daquela professora, mais do que má educação ou simples maldade, como alguns também disseram, encontra-se uma pessoa em sofrimento e com um nível preocupante de desequilíbrio psico-emocional. Custa-me crer que aquelas atitudes sejam de uma pessoa que esteja mentalmente equilibrada, pelo que me parece que perdemos demasiado tempo e recursos a julgar aquela professora e pouco a procurar as razões por trás deste comportamento, ou formas de evitar que aquele tipo de comportamentos se repita no futuro.

 

Num estudo sobre professores ingleses, o autor refere que 77% (sim, 77%) das baixas prolongadas devem-se a problemas do foro psicológico, como irritabilidade, ansiedade, debilidade nervosa, depressão, etc..

Um outro estudo inglês refere que 30% dos professores sofriam de níveis elevados a severos de perturbações mentais, que estavam positivamente relacionados com stress profissional.

Em Portugal, um estudo de 1983 do Sindicato dos Professores da Grande Lisboa referia que mais de 50% das consultas clínicas se deviam a queixas relacionadas com stress de origem profissional. Mais recentemente, Pinto e colaboradores chegaram à conclusão que da amostra de professores estudada, cerca de 30,4% encontrava-se em elevado risco de atingir um nível pleno de burnout (ou desgaste psico-emocional).

 

Todas estas referências têm apenas o objectivo de demonstrar que os professores são uma classe profissional muito propensa a sofrer um desgaste físico e emocional extraordinário e que por outro lado é urgente providenciar medidas preventivas para os proteger, evitando os níveis assustadoramente elevados de doenças mentais, protegendo ao mesmo tempo o ensino e acima de tudo a própria integridade física, emocional e mental dos alunos que com estes professores lidam no dia-a-dia.

 

Alexandre Teixeira

 
Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 20:57  Comentar

Maputo | Moçambique

 pessoa(s) ligada(s)

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Articulistas

> Alexandra Vaz (PT)

> Ana Martins (PT)

> Cidália Carvalho (PT)

> Ermelinda Macedo (PT)

> Fernando Couto (PT)

> Fernando Lima (PT)

> Jorge Saraiva (PT)

> José Azevedo (PT)

> Leticia Silva (PT)

> Rui Duarte (PT)

> Sandra Pinto (PT)

> Sandra Sousa (PT)

> Sara Almeida (PT)

> Sónia Abrantes (PT)

> Tayhta Visinho (PT)

> Teresa Teixeira (PT)

Maio 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
14
16

17
18
20
21
22

25
27
28
30

31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Parabéns Ana Martins, uma abordagem bastante suges...
Obrigado Denise, embora sinta que tenha sido basta...
Muito bom !Explicou exactamente o que eu penso!!!
Concordo plenamente caro Dr. Sendi, o facto é que ...
Gostei muito do artigo .Estou plenamente de acordo...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: