16.6.09


 


A comunicação é a própria essência do ser humano. É através dela que os seres humanos trocam - ou não - as suas mensagens, afectando reciprocamente as suas vidas. O processo interpessoal da comunicação envolve formas verbais e não verbais de informação e ideias. Não se refere somente ao conteúdo mas também aos sentimentos e emoções que as pessoas podem transmitir numa mensagem.

A comunicação oral envolve diferentes formas de expressão: o tom de voz, a aceleração ou serenidade na colocação da voz, os seus diversos significados (linguagens verbais e não verbais) e são vários os aspectos que a constituem, sendo um deles, a mensagem que se pretende transmitir. Seja ela objectiva e explícita ou, pelo contrário, subjectiva e passível de ambiguidade.

 

Comunicar eficazmente pressupõe, sobretudo, saber falar e saber escutar. Por parte do emissor deve existir uma transmissão clara da mensagem, conhecimento do conteúdo a transmitir e domínio dos códigos utilizados (o idioma, por exemplo). No entanto, o emissor está em avaliação continua do receptor, devendo este ser o mais desprovido possível de elações e julgamentos de valor para que a mensagem transmitida tenha o mesmo significado de quando foi proferida e não seja adulterada, quer no seu contexto, quer no seu conteúdo. Saber escutar não significa aceitar tudo, nem ser passivo. A recepção, sendo activa, indica as mudanças de estratégia ao longo do processo. Da mesma forma que o emissor emite indicadores, os mesmos expressam a motivação do receptor e o seu interesse em que a comunicação se estabeleça com sucesso.

No processo comunicacional, a partir do momento em que a mensagem deixa de estar na posse do emissor, até que chega ao receptor, muitos são os factores que podem tornar-se barreiras à comunicação. O meio envolvente, as condições dos canais que funcionam como veículos da mensagem podem ser portadoras de ruído, dificultando ou impedindo a interpretação e compreensão da mensagem.

A interpretação pode ser um enorme obstáculo à comunicação. Podemos interpretar algo de forma diferente de quem o emitiu, assim como podemos ser interpretados de uma forma indesejada. O preconceito, por exemplo, funciona como ruído neste processo. As atitudes e reacções, aparentemente iguais, podem ser lidas de modo transversal, dependendo das circunstâncias e das pessoas envolvidas. Quantos mais receptores existirem, maior será a diferença notada. É necessário estabelecer regras, reunindo-se assim o mínimo de condições para que as pessoas se possam escutar e exprimir.

 

A comunicação deve ter como principio a aceitação do outro enquanto ser distinto e diferente, permitindo-nos colocar no seu lugar ao longo do processo. E, mesmo assim, nunca apreenderemos a totalidade da intenção e expressão do outro, uma vez que qualquer palavra ou acto dependerá de uma interpretação. Nossa ou de outra pessoa.

 

Isabel Ferreira e Alexandra Vaz

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 13:15  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Junho 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

14
15
17
18
20

21
22
24
25
27

28
29


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: