14.7.09


 


“O medo é um sentimento que proporciona um estado de alerta demonstrado pelo receio de fazer alguma coisa, geralmente por se sentir ameaçado, tanto fisicamente como psicologicamente. Obtido a partir do contacto com algum estímulo físico ou mental, dispara uma resposta fisiológica no organismo, preparando o indivíduo para lutar ou fugir. Pode provocar atenção exagerada a tudo que ocorre ao redor, depressão, pânico, etc.” (retirado de http://pt.wikipedia.org/wiki/Medo).

 

O medo aprisiona, o medo sufoca, o medo paralisa… Viver com medo é não viver de todo… É sentir-se aprisionada e impotente perante a própria vida… É mostrar-nos o quão pequenino nós somos… É fazer-nos desistir de todos os nossos sonhos e objectivos por falta de força e esperança no futuro… No fundo, o medo vai retirando a vida aos poucos… dia a dia, enfraquecendo a chama da vida, embaciando o brilho no olhar, extraindo qualquer segurança em si próprio.

 

Mas… porquê ter medo? Porque surge o medo exacerbado da vida? Todos os pequenos indícios de que o medo possa surgir criam apreensão, inquietação, e daí ao medo, são segundos… como se o medo se alimentasse do próprio medo!!!

 

São vários os factores que levam aos medos ditos “irracionais”. Tendo a ver com factores psicológicos – falta de serotonina? – com factores educacionais e sociais… Crescemos numa redoma e claro, o mundo está cheio de perigos! Se não crescemos numa redoma, então são acontecimentos traumáticos que nos trazem por acréscimo esta “prenda” que é o medo…

 

Mas o melhor de tudo e que vos quero passar: é que é possível viver-se com o medo… não é fácil… é uma luta constante pela vida… mas é possível!

 

Ana Lua

 
Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 02:23  Comentar

De Augusto Küttner de Magalhães a 16 de Julho de 2009 às 23:57
Todas as definições e razões para se ter medo, estão aqui dadas.
Sendo que quando o medo passa os limites, nos acompanha desatinadamente, passamos ao tal estado de doença, seja depressão, sejam fobias.
Como toda e qualquer doença, tem que ser tratada, e como tal temos médicos que como em outras especialidades, porventura mais do fisico que de psiquico nos tratam. Logo o recurso é ao apoio médico, e como se fose e é uma doença hoje tão normal, quanto mais rápida é a ajuda, mais rapida a cura!!!

De ©Marcolino Duarte Osorio a 14 de Julho de 2009 às 23:35
Olá Cidália!

Belissima exposição a sua! Parabéns!

Noite tranquila

Marcolino

De Cidália Carvalho a 14 de Julho de 2009 às 21:43
"O medo aprisiona, o medo sufoca, o medo paralisa… "

Concordo , mas o medo também gera comportamentos e, alguns inesperados e até corajosos.
A reacção a um facto que nos provoca medo é muitas vezes confundida com coragem. O que faz um soldado disparar sobre outro, a razão? a coragem? ou o medo de que o outro dispare primeiro?

Penso que as fobias cansam quem está por perto e, se o perto é o espaço exiguo de um elevador ainda piora mais a situação.
Comportamentos geram comportamentos e se numa situação anormal alguém exterioriza o seu medo, facilmente os outros se deixam tomar por esse medo.
Seria necessário uma paciência inesgotável e uma compreensão incondiconal para lidarmos, sem cansaços, diáriamente com alguém fóbico.

Fiquem bem!

De ©Marcolino Duarte Osorio a 14 de Julho de 2009 às 17:29
Olá, Ana Lua!

Lamento, mas esta experiência que tive, nunca a poderei divulgar,convenientemente, por ir contra as minhas regras de sigilo, sobre quem é, neste caso, "fóbico"! Perderia uma grande Amizade, de longa data!

Citando-a: «Gostava de saber até que ponto poderá tornar-se cansativo a convivência com alguém "fóbico"...»

Minha resposta: Melhor do eu, um psicólogo, poderá explicar-vos, sobre isto, porque ele é um Médico especializado, e eu, não sou!

Marcolino

De Ana Lua a 14 de Julho de 2009 às 11:49
Olá Marcolinosorio!
Obrigada pelo teu comentário!
Sim, o medo é salutar e faz parte do rol de emoções necessárias à nossa sobrevivência.
Mas quando este se torna mais do que um sentimento normal e nos assalta constantemente, passa a ser uma "doença" com sofrimento constante...
Falaste no quão cansativo pode ser estar com alguém claustrofóbico num elevador. Podes explorar-me mais um pouco essa experiência?
Gostava de saber até que ponto poderá tornar-se cansativo a convivência com alguém "fóbico"...
Obrigada mais uma vez.

De ©Marcolino Duarte Osorio a 14 de Julho de 2009 às 11:07
O mêdo, dito normal, que faz parte dos nossos mecanismos de auto-defesa, é salutar.

Olhemos uma criança de tenra idade, levada pelo seu mecanismo do conhecimento, tentada pelo brilhar multicolorido de uma qualquer chama, a proximar-se, e tocá-la. Queima-se. Chora. Mas nunca mais tenta brincar com o lume.

Há as fobias, ou medos mórbidos de caracter obcessivo, como a claustrofobia. Mas isso são águas para os médicos especialistas navegarem.

Garanto-vos que, ficar fechado, dentro de um elevador, com alguém que sofra de claustrofobia, é cansativo!

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Julho 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
15
16
18

19
20
22
23
25

26
27
29
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: