15.12.08

 


 


 


Em criança, colava a minha cara ao vidro para ver os enfeites de Natal que as lojas colocavam nas montras, no início de Dezembro. Sentia o frio nas bochechas e deliciava-me com os comboios, as bonecas e todo o vermelho e verde que preenchia as ruas, as montras e as casas.

Vivia o Natal num misto de respeito e ansiedade, como qualquer criança queria ser visitada pelo menino Jesus que, mais tarde, deu lugar ao célebre Pai Natal.

 

Mal terminava a arrumação da árvore de Natal e ainda se comiam os restos do bolo-rei, já começava a pensar no que iria pedir para o Natal seguinte. Sempre que abria a gaveta onde os enfeites estavam guardados, sentia uma nostalgia e um conforto: acontecesse o que acontecesse, viria sempre o próximo Natal, que seria sempre uma festa e eu sentiria a felicidade e o amor de um ano inteiro.

 

Fui crescendo e a realidade dos adultos foi-se apoderando dos meus Natais, ano após ano a magia foi-se desgastando, deixei de sentir ou de querer a sua proximidade, pois estava longe de ser uma época desejável ou feliz. Sentia a máscara de todos e não queria fazer parte da gigantesca máquina de fazer e produzir contos de Natal.

 

O seu significado, o seu valor, ou o quer que seja, ficou completamente esborratado no dia em que deveria estar a “celebrá-lo”, mas estava a lançar uma última despedida a quem me ensinou o valor e o significado do Natal; que ironia, que dor e que sofrimento.

 

Durante anos vi e vivi o Natal como se de um filme se tratasse, imagens fictícias, momentos produzidos, sorrisos elaborados, intenções deliberadas.

Perdi o significado do Natal, a própria palavra ficou fazia de conteúdo e significado. As próprias cores mudaram para rosa, preto, amarelo, roxo e sei lá mais o quê!? Vemos as nossas tradições serem invadidas e a perderem por completo a sua beleza e o seu significado.

As referências ao Natal começam com a chegada do Outono e todos somos bombardeados diariamente com as “intenções” do Natal, onde comprar, o que comprar e como comprar e quando chega a data já estamos enjoados, sem saber muito bem o que significa afinal o Natal.

Deixou de existir nas ruas o cheiro e a beleza do Natal, as músicas tornaram-se gastas, repetitivas e até mesmo aborrecidas.

 

Mas...

As coisas mudam, não voltam a ter a magia nem inocência de quando éramos crianças.

 

Mas...

É possível voltar a ter brilho e ser especial, um dom que só mesmo as crianças têm…

Só mesmo uma criança para encontrar a beleza e o significado do Natal.

Cantar vezes e vezes sem conta a mesma música, sem que isso se torne um massacre.

Só mesmo as crianças nos fazem sorrir quando lhes dizemos que só podem escolher duas prendas e com um grande sorriso dizem “que bom”. É claro que por detrás das duas prendas está uma colecção inteira de cinco bonecas, ou a edição completa de uns jogos de carros.

Só uma criança para pedir um paninho para cobrir o menino Jesus, que está com muito frio e fazer-nos procurar um agasalho adequado.

Só uma criança para acreditar no pai Natal e com ar malandro e um sorriso descarado responder, perante a ameaça de não ter prendas por se portal mal, “eu já falei com ele e ele prometeu que me trazia o que eu quero”.

Só uma criança nos faz decorar toda a casa com Pais Natal e nos obriga a deixar um copo de leite e uma fatia de bolo para a sua visita e, claro, não esquecer as cenouras para as suas renas.

E faz-nos comer o bolo que não apetece e beber o leite de que não gostamos, tudo a correr, com medo de sermos apanhados em flagrante delito. E ainda “ratar” as cenouras, a imitar os dentes das ditas renas, e tornar tudo o mais verosímil possível.

 

Enfim! O Natal muda ao longo da nossa vida, mais para uns do que para outros, o meu mudou e muito. Começou por ser uma fantasia que perpetuei até não poder mais, depois foi uma quase obrigação e finalmente faço parte como “construtora” da própria fantasia. A ver vamos como será o Natal quando deixar de contribuir para a criação de uma ilusão. Provavelmente serão eles, as minhas crianças, que vão assumir o controlo do Natal e fazer dele o que mais gostarem. Espero que nele se reflicta o carinho, o afecto e a felicidade de um ano inteiro.

 

Susana Cabral

 

Temas:
Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 00:31  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

>Alexandra Vaz

>Ana Martins

>Cidália Carvalho

>Ermelinda Macedo

>Fernando Couto

>Jorge Saraiva

>José Azevedo

>Leticia Silva

>Maria João Enes

>Rui Duarte

>Sandra Pinto

>Sandra Sousa

>Sara Almeida

>Sara Silva

>Sónia Abrantes

>Teresa Teixeira

Dezembro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

16
17
18

22
23
25
26
27

28
29
30
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: