16.11.10

 

Abre lentamente os olhos. Há demasiada luz.
- Onde estou? – Pensou; - Morri? – Suspirou.
- Olá, como se sente? – Pergunta calmamente a enfermeira.
- Não morri? – Responde.
- Não, não morreu, mas quase. – Retalia a enfermeira.
Ana sente vontade de vomitar, começa a ficar agitada e sente cólera a invadi-la. Quer gritar, mas nem o grito de raiva consegue expulsar. O ar falta. Os enfermeiros acodem.
 
Trimmmm…
- Ah, estou? – Atende uma voz estremunhada.
- Boa noite. Estou a falar com a senhora Patrícia? – Pergunta uma voz estranha.
- Sim, é ela. Quem deseja saber? – Pergunta.
- Senhora Patrícia, ligamos do hospital. A sua filha Ana está cá internada. Pedimos que venha o mais rapidamente possível.
Num salto senta-se na cama.
- O quê? A minha filha?! Que aconteceu? – Pergunta com o coração sobressaltado.
- A sua filha está estável, mas pedimos que compareça por favor.
A meio da noite duas personagens lançam-se numa corrida louca para o hospital. Não há vermelhos que os impeçam. Os corações batem demasiado rápido para abrandarem num semáforo.
 
- A minha filha está aqui internada. Quero vê-la. – Atira Patrícia.
- Nome? – Remata alguém com impaciência.
- Ana – desespera a mãe.
- Aguarde um momento, por favor.
- Aguardar?! O que se passa com a nossa filha? - Pergunta um olhar assustado.
- Um médico já os vem atender.
Os olhos extravasam lágrimas. Patrícia sente-se ansiosa, angustiada, nervosa. A sua filha, a sua única filha.
- São os pais da Ana? – Pergunta o médico.
- Sim. Responde o pai, com a mãe nos braços.
- A vossa filha está agora estável.
- O que aconteceu, doutor? – Pergunta a mãe.
- A sua filha tentou suicidar-se com comprimidos.
- O quê?! Sui…suicidar-se? A Ana?! Não é possível – diz o pai
- A minha Ana? Porque faria uma coisa dessas? – Continua, aterrado.
Patrícia não reage. O seu mundo desaba. Há um grito que se espalha e a quebra por dentro.
- Como foi capaz? – Diz por fim.
Há confusão, alheamento e uma súbita mágoa naquelas duas personagens.
 
Ana, já não tem lágrimas. Continua desolada pela sua sobrevivência.
A raiva persegue-a.
- Quero morrer!!! Porque não me deixaram morrer?! – Grita angustiada.
- Os seus pais estão aqui Ana. Para a ver – diz a enfermeira.
Ana pára. O seu corpo gela. Os seus pais, aqueles que lhe deram vida estavam ali. E ela só queria morrer. O coração está em espera. Não bate. Sofre e tem medo. Medo do confronto com os seus progenitores. Ela não queria fazê-los sofrer. Só queria partir. De vez.
- Ana, como pudeste? – Pensou a mãe enquanto a olhava nos olhos.
- Filha – diz em vez.
Ana desata a chorar. Esconde os olhos, como quem esconde a culpa.
O pai abraça a filha e promete estar sempre lá, dizendo que ela não está sozinha. Ana sente ainda mais culpa.
A mãe fixa a filha. Sente culpa também. E raiva. Como pôde aquilo acontecer.
- Filha, que fizemos nós? Onde falhamos? – Pergunta desesperada a mãe.
- Patrícia, agora não. – Responde o pai.
- Vai tudo correr bem, filha. – O pai abraça de novo a filha. - Vamos conseguir ultrapassar isto.
O quarto permanece cheio de dor, culpa, remorsos, tristeza, vergonha, medo, raiva. Todos estão partidos à sua maneira. No meio de tanta dor, permanece no entanto o amor. Está ali, mesmo que nem todos o consigam olhar nos olhos.
 
Cecília Pinto
 
Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 02:05  Ver comentários (3) Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Novembro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
20

21
22
24
25
27

28
29


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: