1.5.12

 

Era uma vez a mesma lengalenga de sempre! “Isto está mau! É a crise!”. Expressões atrás de expressões, de um povo que nunca se endireita! E chegamos agora a níveis de desemprego escandalosos.

Para uns, o desemprego pode ser uma rampa de lançamento para o risco de sonhar com novas fronteiras, quebrando barreiras existentes até então e criando novas oportunidades. Para outros um submergir na nuvem do subsídio, que “do mal o menos” vai entrando, “por direito, claro está(!)”, mas que em vez de ser ponte, é subterfúgio. Outros há, e tantos, que não têm a mesma sorte, e só imagino o desespero das vozes internas perante as faturas que se atropelam na caixa do correio, as bocas sentadas à volta da mesa que de inocência clamam o comer, tantas vezes presos a doenças, e o silêncio de lágrimas escondidas, num “oh meu Deus que vai ser da nossa vida?”, que tantas vezes tumultuam a alma com pensamentos tenebrosos, viciantes e fraturantes do Ser.

O desemprego tem muitas caras, a pior será sempre a do desespero. Desespero, muitas vezes, partilhado no emprego. No “emprego” de quem trabalha, amarrado à obrigação e à falta de opção. Num emprego mal empregue, povoado de exigências absurdas, exploradoras, sufocantes. Empregados assediados, cansados, esgotados e desesperados com tanto stress, e sem alternativa à vista, que sucumbem, também por vezes, aos gritos do desespero.

Aflige-me que nesta coisa do empregado e do desempregado, a distribuição seja como a riqueza. Tanta competência por empregar, quando tantos postos estão empregues, e mal empregues, a muitos que não querem laborar e lá estão a usufruir da cadeira, que o pobre do competente pedincha de porta em porta. Empregados abandonados à frustração de fazer o que a vocação não lhes pede, deslocados para trabalhos da pseudo-salvação. Aflige-me que tantos se resignem a esta condição, e tantos outros dessem tudo por essa própria condição. Aflige-me a voz de um país com tanto emprego mal empregue e tanto bem feitor por empregar!

 

Cecília Pinto


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 01:05  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Maio 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
14
16
17
19

20
21
23
24
26

27
28
30
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: