11.9.15

FirstKiss-AlenaKratochvilova.jpg

Foto: First Kiss – Alena Kratochvilova

 

Por estes dias casei. Cerca de 48 horas atrás encontrava-me a festejar com família, amigos e a minha (agora) esposa. Pessoas que amo e que me fazem feliz. E isso sei-o, conscientemente.

Perguntaram-me, variadas vezes, nos dias que antecederam o evento, se ia mesmo avançar com o casamento. Ou por outra, se tinha consciência do que ia fazer.

Acredito que tal questão (ato consciente de quem pergunta), pelo menos no meu caso, de tom verdadeiro nada teria. Seria então brincadeira, de quem não teve consciência de perceber que a mesma reduzia ao que de facto sentia em relação ao assunto. Mas o contrário, em verdade, não seria de esperar. Cada um ama como ama e sente como sente. E, por vezes, tais mecanismos nem são conscientes.

Claro que pior ficou quando em jeito provocatório, confesso, contrapunha com um “já é a segunda vez”. Conscientemente, claro.

A reação foi sempre a que esperei. Adjetivos em barda, ilustrando ora suposta estupidez, ou então ato corajoso. Mas inconsciente, diga-se.

Seria contudo injusto de minha parte não vos situar em relação aos interlocutores de tais conversas. Não foram convidados, ou sequer amigos próximos. Pessoas com quem me cruzo esporadicamente e que com quem, eventualmente, terei um amigo ou conhecido em comum.

Ficam então algumas considerações conscientes, socialmente falando:

Quem vai casar poderá não ter consciência do que vai fazer;

É válido perguntar se o anterior se verifica nesse caso concreto;

Ao perguntar tal, inconscientemente, minimiza-se o real valor do sentimento impresso ao ato;

O casamento repousa, conscientemente, numa suspeita de falência eventual;

E quem casa por segunda vez, tem por certo um défice intelectual por diagnosticar; E do mesmo não terá consciência.

 

PS: Aproveito para escrever que estou mesmo muito, muito feliz. Este “enforcado” acredita no amor. E enquanto assim for, os inconscientes serão os outros.

 

Rui Duarte

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Setembro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

15
17
19

22
24
26

29


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: