9.5.16

Nurse-简体中文.jpg

Foto: Nurse - 简体中文

 

Responsabilidade é um conceito demasiado amplo e por isso algo confuso. O mesmo prende-se com as mais variadas facetas da vida, abrangendo as mais diversas idades, contextos, estatutos, leis, etc.. É algo de universal, transversal ao passar dos dias. Contudo na maior parte das situações, o conceito em si, mescla-se noutros nomes e noutros conceitos aproximados.

Respeito pelas regras, pelos outros. Observância das leis. Direitos e deveres. Garantia de subsistência. Limites de liberdade. Apenas exemplos.

Todos estes e infinitos mais carecem e vivem de responsabilidade. Nalguns casos tangível, noutros nem por isso. Nalguns casos individual e noutros social, grupal ou comunitária.

 

A responsabilidade, assim, ampla, é incutida desde cedo. É comunicado às crianças o que delas é esperado. O comportamento adequado, o acerto pelas regras, as notas positivas, o trabalho de casa feito. Por vezes até se preza a criança que salta etapas: “é tão responsável que parece um adulto...”.

Mas antes disso vem a adolescência. A época mais ou menos conturbada do acerto da responsabilidade, ou a falta dela. Na verdade, não há grande problema. Nesta fase, quase que a responsabilidade é mesmo pela falta dela. É expetável e compreensível que assim seja.

O mesmo já não sucede na idade adulta. Algum desconto, contudo, na fase de transição! Ser-se “jovem adulto” às vezes é coisa que dá jeito. Principalmente se o individuo conseguir levar a coisa até aos 30 anos. Responsável sim, mas q.b., que a vida só se vive uma vez. Claro que aqui um efeito diferenciador do tu podes e eu não posso é, principalmente, a existência de prole. Nesse caso, meu amigo... as coisas são como são e é bom que responsabilidade não seja algo “opcional”.

Passada esta etapa transitória chega a cristalização. Integrados os modelos de responsabilidade, por exemplo laborais, familiares, sociais, etc., o individuo encontra-se no auge da responsabilização. As desculpas acabaram-se e qualquer ato transgressor e irresponsável é tido por deliberado e por vezes antecipado. O adulto pensou e fez porque assim quis. Evidentemente que, ato contínuo, a punição/consequência está igualmente no auge. E é assim que tem de ser.

 

Preparem-se os que de nós tiverem a felicidade de chegar a velhos. A fasquia volta a baixar e como que há um retorno aos saudosos tempos idos. A concorrência idade/responsabilidade faz-se pela seguinte fórmula: quanto mais velho maior o desconto. A inversão das coisas é deliciosa. Ou perniciosa? Ainda não decidi. “Ó avozinho, você está tão “taralhoco”! Não pode andar a apalpar as enfermeiras do lar! Parece que já nem se lembra que existem regras e que tem de ser responsável!”.

Não é que tenha pressa e quanto a vocês não sei. Mas se a essa responsabilidade etária chegar, aproveitarei a época dos descontos. Assim como assim, aos 80 anos já é final de coleção.

 

Rui Duarte

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

>Alexandra Vaz

>Ana Martins

>Cidália Carvalho

>Ermelinda Macedo

>Fernando Couto

>Jorge Saraiva

>José Azevedo

>Leticia Silva

>Maria João Enes

>Rui Duarte

>Sandra Pinto

>Sandra Sousa

>Sara Almeida

>Sara Silva

>Sónia Abrantes

>Teresa Teixeira

Maio 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
14

15
17
19
21

22
24
26
28

29
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: