3.11.17

Business-man - Vigan Hajdari.jpg

Foto: Business-man - Vigan Hajdari

 

Incontáveis vezes escrevi sobre deficiência. Aliás, de uma forma ou outra, todos os dias úteis o faço. Trabalho na APPACDM do Porto, instituição que, desde 1969, presta serviços a pessoas com deficiência intelectual e multideficiência. Faço-o há quase 17 anos e já vi e passei por tudo um pouco. Curiosamente, numa área em que aparentemente pouco muda e nada se “cura”, já muito se alterou no tempo em que cá estou. Começando pelos nomes que se dão às pessoas (débeis mentais, oligofrénicos, atrasados mentais, deficientes mentais, pessoas portadoras de deficiência mental, etc.), passando pelo modelo de intervenção nas idades escolares, acabando na própria visão da sociedade face à existência da diferença e da diversidade humana.

Posso dizer que cedo repudiei etiquetas e categorizações ou avaliações desnecessárias (daquelas que só servem para o técnico que as executa sentir que está a colmatar inseguranças profissionais). Posso dizer que cedo percebi que o melhor deste trabalho (e até vocação) é as pessoas. Os débeis, os idiotas, os atrasados. Enfim, os mais genuínos na sua natureza emocional e comportamental. Sim, claro, todas as pessoas têm filtros e gerem a sua relação com o mundo e com os outros segundo uma ótica individual. Contudo, na relação com as pessoas com quem trabalho, encontrei relações de franqueza, simplicidade e amizade desinteressada. Claro que elas também manipulam. Claro que também mentem, mas mesmo assim as suas mentiras são maioritariamente “puras”, ou pouco relevantes no grande contexto das coisas.

 

Embora não seja minha função “ensinar”, eu sei que muitos aprenderam comigo. E reconheço que muito aprendi com estas pessoas. Humildemente reconheço que o que sou hoje, as minhas atitudes e os meus valores, muito se regem pelas infindáveis horas em que passei, partilhei e pensei com e para eles.

Não se dá o devido valor à palavra incapacidade. Continua a confundir-se (e muito) com deficiência. Continuamos a não perceber como somos mais parecidos do que diferentes. Com o desaparecimento de algumas pessoas vi-me forçado a confrontar a minha incapacidade em aceitar “adequadamente” a morte. Com os problemas graves de comunicação de algumas pessoas vi-me forçado a trabalhar a minha incapacidade em escutar os outros com a devida atenção. Da confrontação com as condições de saúde de algumas pessoas e a sua reduzida esperança de vida, percebi a incapacidade que tinha em reconhecer o extraordinário valor que a própria vida tem.

 

Desculpem o texto algo lamechas, mas a verdade é que a minha experiência de vida (dure o que durar), para sempre e profundamente marcada ficou pelas pessoas com quem tenho a sorte de estar durante a semana. E por aquelas que, já cá não estando, esquecidas nunca serão. Obrigado a todos vós por me fazerem mais capaz.

 

Rui Duarte

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 07:30  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

>Alexandra Vaz

>Ana Martins

>Cidália Carvalho

>Ermelinda Macedo

>Fernando Couto

>Jorge Saraiva

>José Azevedo

>Leticia Silva

>Maria João Enes

>Rui Duarte

>Sandra Pinto

>Sandra Sousa

>Sara Almeida

>Sara Silva

>Sónia Abrantes

>Teresa Teixeira

Novembro 2017
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
14
16
18

19
21
23
25

26
28
29
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: