4.8.09

 


 


Afinal, só é digna de desejo a pessoa desejável por outros e, logo, passível de ser levada.

 

O binómio desejo/ciúme é altamente interactivo: enquanto outros sentimentos surgem independentemente da existência ou não de outra pessoa (a tristeza, a alegria, a ansiedade, a esperança), o ciúme ligado ao desejo, como o desejo ligado ao ciúme, envolvem e afectam necessariamente um outro, íntimo, com grande envolvimento emocional.

Emoção ou instinto básico, o desejo sexual pode ser avassalador, no sentido em que, quando a razão autoriza, ou pura e simplesmente não interfere, é ao corpo que se obedece, e de bom grado se cede à sua urgência e intensidade. Várias vezes, a satisfação do próprio desejo inclui a satisfação do desejo do outro; mas invariável é a vontade de o possuir.

O sentimento de posse, com nuances diferentes ou não, é também afim ao ciúme, e a ele se cola o medo de se perder o que se possui. Na nossa sociedade actual, o ciúme será maioritariamente visto como um sinal de imaturidade, associado a baixa auto-estima, insegurança, falta de racionalidade, raiva e vingança. Já se viu aliado à honra e à moral, como prerrogativa masculina essencial na manutenção de relações estáveis e duradouras, logo à preservação da família. Poderá dizer-se que mesmo hoje em dia, algum ciúme como condimento, sinal de amor e de dedicação à relação quer-se presente. Mas só quando não resvala para o excessivo.

Isto acontece quando a irracionalidade do medo desproporcionado de perder o parceiro para outra pessoa, e das dúvidas (mais ou menos delirantes) em que este medo assenta, conduz a uma desconfiança excessiva e insuportável, empurrando a pessoa ciumenta, numa tentativa de aliviar o seu sofrimento, para comportamentos inaceitáveis ou bizarros, por vezes violentos, e acarretando muito sofrimento para a outra parte. O ciúme excessivo encaminha invariavelmente a relação para o seu fim, pelo menos enquanto relação salutar. Torna-se imprescindível reconhecê-lo e tentar saná-lo.

 

Ana Álvares

(Imagem: Desejo, de Ana Isabel Camilo)


 

Temas: ,
Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 23:09  Comentar

De Aníbal V a 10 de Agosto de 2009 às 12:43
Pois é Ana, o ciúme, como muitas outras coisas na vida, vai sendo visto pela sociedade, de forma diferente ao longo do tempo. E será sentido de forma diferente?

De ©Marcolino Duarte Osorio a 4 de Agosto de 2009 às 23:53
Ana,

Sempre abominei o ciúme, por tudo aquilo que você diz, neste seu belissimo texto!

Marcolino

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Agosto 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
15

16
17
19
20
22

23
24
26
27
29

30
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: