11.8.09


 


Gosta de levantar-se cedo. A casa em silêncio desperta devagar, sem sobressaltos. Aprecia estar só na certeza e no conforto de ter, à distância de um grito, aqueles que dão sentido à sua vida.

O sol levanta-se como ele, lânguido e silencioso e num gesto de altruísmo dá à terra a luz e o calor que alimenta a vida. Determinado a impor-se vai iluminando, primeiro um degrau da escada, depois outro e mais outro, até se instalar no alpendre.

Os seus raios lambem-lhe a cara, aquecem-lhe o corpo, invadem-no com uma pacífica energia.

 

Não foi sempre assim mas hoje é-lhe grato por esta dádiva desinteressada.

Lembra-se que, quando menino, o pai no seu papel de educador lhe dizia para repartir, partilhar sem esperar nada em troca. Apontava o sol como exemplo de total desinteresse. O sol dá para simplesmente dar, não dá no seu próprio interesse e não espera o reconhecimento de ninguém.

Não punha interesse na sua dádiva!? Mas como poderia pôr, se não sente?

Mesmo assim era exemplo de altruísmo. Odiava-o por isso.

 

Simone Weil disse que o homem não é um ser egoísta; ele não concorda. Aprendeu cedo que o homem age sempre e apenas em função do seu interesse pessoal. 

Hoje, lembrando o dia em que a mãe foi buscar o João à maternidade, ri dos medos e das estratégias imaginativas para lembrar às pessoas que ele também existia. O menino não chorava, não ria, não fazia gracinhas, não dava os primeiros passos nem dizia as primeiras palavras que não tivesse uma legião de testemunhas a aplaudir e a encorajá-lo a novas aventuras. Fingiu estar feliz por ter em casa aquela criatura irritante e assim conquistou o afecto do pai e da mãe.

Quando possuidor de algo afirmava-se e não partilhava com o irmão. O pai, com paciência, lá lhe explicava como deveria agir recorrendo ao exemplo, o único que talvez conhecesse, do sol.

Mas porque não se servia ele dos homens para lhe explicar que não devemos ser egoístas, seria difícil encontrar bons exemplos? Mas não se diz que o homem nasce naturalmente bom?

 

Ele não se considera mau, mas ainda tem presente com que ambiguidade reagiu ao nascimento do seu primeiro filho. Adorava-o mas odiava a ideia de ter que repartir a atenção da sua mulher; habituados a viverem um para o outro, passaram a ter que viver para o filho. Mas o que mais lhe custava era, sem dúvida, abdicar daqueles momentos de silêncio a que se entregava para crescer interiormente, o momento em que balanceava: o que eu fiz e o que eu poderia ter feito.

Com o nascimento do segundo filho foi diferente, habituado que já estava a partilhar o espaço físico e emocional, o Guilherme foi poupado a alguns momentos de crise afirmativa. Ama-o de igual modo que ao filho mais velho mas não lhe perdoa aquela jovialidade. Finge que não vê as alterações físicas que se vão processando e que transferem para o filho toda a mocidade que vai perdendo: a facilidade com que se movimenta, enquanto ele vai perdendo agilidade; a linguagem ligeira com que se exprime, enquanto ele cada vez mais formal e frases cuidadas... Tem até vergonha de si mesmo por assim sentir, mas a juventude do filho lembra-lhe a velhice que se aproxima. Tem sabido poupá-lo a este egoísmo que o rói interiormente, mas tende a fazer disso um heroísmo, que não é, e que por isso não lhe é reconhecido.

 

O beijo que recebe é-lhe querido e deixa-se arrebatar aos seus pensamentos tolos e sem sentido, coisas dele, que o avançar da idade alimenta.

-Bom dia filho! É hoje que vais visitar o Sea Life?

- É, pai. Finalmente foi licenciado e já nasceu uma cria, é um tubarãozinho.

- Queres que te acompanhe?

- Claro meu! É fixe quando fazemos coisas juntos!....

- ...Hum! Vamos lá então. Pelo caminho conto-te a história de um egoísta insociável...

 

Cidália Carvalho

 
Temas:
Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 10:26  Comentar

De Susana Cabral a 12 de Agosto de 2009 às 12:09
Aníbal

Embora pareça baralhada, acredite que não é o caso. Primeiro quando digo que a nobreza esta dentro de cada um, quero dizer, que por exemplo num acto de bondade pode haver varias intenções e a nobreza esta na razão, no motivo de o praticar.
Nós diariamente, e mais uma vez na opinião, controlamos o nosso instinto pois deparamo-nos, com alguma frequência , circunstancia em que temos mesmo de o "calar".
E depois o problema é mesmo esse, termos de ser emocionalmente egoístas , e acredite existem casos que o ser revela saúde mental.

De Aníbal V a 12 de Agosto de 2009 às 04:08
Cara Susana,
Peço desculpa mas terei de discordar de si, pois parece-me baralhada entre conceitos, sentimentos e instintos.
Se a nobreza estiver apenas dentro de cada um, então como se revela? Mas revela-se! Sinal de que está dentro, em sentimentos e em posições, e que sai para os outros em actos condizentes.
A tentativa de defesa é por instinto. Mas deveremos controlar os instintos para que a bondade do coração prevaleça.
Afirma que para sermos emocionalmente funcionais temos de ser egoístas Mas como é o egoísmo compatível com a saúde e o bem estar emocional? O egoísmo é um sinal muito claro da falta de saúde emocional.

De Aníbal V a 12 de Agosto de 2009 às 03:49
Amor é atenção, cuidado, dádiva ao outro. O egoísmo é a ausência de atenção, cuidado, de dádiva.
No meu entendimento o egoísmo instala-se onde falta o amor; o egoísta não sabe/consegue amar.

De Susana Cabral a 12 de Agosto de 2009 às 03:34
Não deixa de ser engraçado ler sobre o egoísmo, emoções ou sentimentos característicos dos animais, primeiro saciamos a nossa fome e depois se sobrar os outros terão a sua oportunidade (instinto de sobrevivência ?).
No seguimento das ultimas publicações , fala-se de emoções e sentimentos, dos mais "nobres" (seja lá o que isso realmente significa, muito mais não seja o reflexo de uma sociedade e de imposições colocadas por essa mesma sociedade, a nobreza, no meu entender esta individualmente dentro de cada um) e daqueles que são menos "nobres" (que de uma maneira ou de outra nos fazem sentir culpa, vergonha e leva-nos a ter considerações sobre a bondade que trazemos no coração, quando as vezes apenas nos tentamos defender).
Digo que é engraçado, porque cada vez mais tenho dificuldade em entender o verdadeiro significado do egoísmo porque cada vez mais o vejo diluído em falsas atitudes e argumentos.
Infelizmente começo a acreditar que o egoísmo é uma necessidade imperativa se quisermos continuar funcionais emocional e fisicamente.

De Alexandra Vaz a 12 de Agosto de 2009 às 02:23
Cidália,

belíssimo texto!

De Ana Lua a 11 de Agosto de 2009 às 12:26
Querida Cidália,
Adorei este teu texto cheio de sentimentos e ensinamentos muito importantes!
Obrigada!
Beijinhos

Maputo | Moçambique

 pessoa(s) ligada(s)

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Articulistas

> Alexandra Vaz (PT)

> Ana Martins (PT)

> Cidália Carvalho (PT)

> Ermelinda Macedo (PT)

> Fernando Couto (PT)

> Fernando Lima (PT)

> Jorge Saraiva (PT)

> José Azevedo (PT)

> Leticia Silva (PT)

> Rui Duarte (PT)

> Sandra Pinto (PT)

> Sandra Sousa (PT)

> Sara Almeida (PT)

> Sara Silva (PT)

> Sónia Abrantes (PT)

> Tayhta Visinho (PT)

> Teresa Teixeira (PT)

Agosto 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
15

16
17
19
20
22

23
24
26
27
29

30
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Parabéns Ana Martins, uma abordagem bastante suges...
Obrigado Denise, embora sinta que tenha sido basta...
Muito bom !Explicou exactamente o que eu penso!!!
Concordo plenamente caro Dr. Sendi, o facto é que ...
Gostei muito do artigo .Estou plenamente de acordo...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: