14.8.09

 


 


Na enfermaria, o som do televisor impõe-se abafando algum queixume de um ou outro doente mais sofrido. As imagens que se sucedem ajudam os doentes a não pensar, aliviam o sofrimento.

Com ele é diferente, esta diversão não resulta. Em boa verdade nem se dá conta do lugar onde está; estar ali, em casa ou em qualquer outro sítio é-lhe indiferente. Não quer estar em lugar nenhum.

O seu olhar fixa-se na janela da enfermaria. Está muito perto, porém é incapaz de percorrer essa distância que o ligaria ao mundo. As pernas recusam-se a mexer, ao seu corpo inerte falta-lhe vontade, comando. Ir até à janela exige ânimo. Ânimo, é a alegria de que precisa para expulsar a tristeza que o mata. Mas, para ele, ser alegre não é fácil. Se ao menos acreditasse que existe uma felicidade eterna!... Mas de eternidade, a única coisa que conhece é a tristeza que teima em estar. Leu algures que a alegria não está nos outros nem nas coisas, a alegria está em nós, temos que procurá-la no nosso interior. Procurar em nós?! Mas onde e como pode procurar-se uma coisa que não se conhece?

 

- Então João, é hoje que aceitas sair comigo? Se quiseres até peço autorização para passear contigo sem bata, fico mais bonita. Vamos dar uma volta no jardim?

Olhou-a sem entusiasmo. Não rejubila com estas manifestações de carinho e isso ainda o entristece mais. Se ao menos conseguisse sorrir-lhe, ainda que um sorriso triste!... Mas triste mesmo, é ele não ter sorriso.

Se alguma vez conseguir sair daquela prisão será com ela que dará o primeiro passeio pelo jardim; é-lhe devido esse prémio. A enfermeira Ana esforça-se, nota-lhe uma preocupação autêntica e tem esta maneira engraçada de tentar estimulá-lo.

 

- Pode morrer-se de tristeza?

A pergunta sai-lhe sem a sua autorização. Não devia preocupá-la ainda mais...

A ela, não a apanha desprevenida. Lembra-se, quando andava a tirar o curso, de ter estudado casos em que os bebés, por não receberem afecto e carinho, por falta de colo, entram num marasmo que, lentamente, os vai matando. Na sua vida profissional já acompanhou outros casos em que as pessoas por inércia se deixam morrer.

A resposta à dúvida que ele não tem é dura mas verdadeira.

- Então, porque não morro eu?

- Porque eu não quero! Tudo farei para que vivas!

Antes de se afastar ainda lhe sorriu carinhosamente.

 

Fecha os olhos, recolhe-se ainda mais no seu íntimo, mas desta vez não para se isolar do ambiente que o rodeia, mas para saborear o ligeiro adocicado daquele sorriso.

No seu isolamento consegue ver que a alegria afinal tem um lugar dentro dele, está ali mesmo em frente à sua tristeza. Enfrentam-se num duelo em que a última tem levado a melhor sobre a primeira, provavelmente continuará a ser assim, mas neste momento a distância que o separa da alegria ficou ligeiramente encurtada.

 

Cidália Carvalho


(A todas as enfermeiras, em especial à minha amiga Ana Rita)

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 19:08  Comentar

De Cidália Carvalho a 25 de Agosto de 2009 às 13:49
Olá Marcolino!
É bom tê-lo de volta. Pena que o seu problema de saúde se arraste por tanto tempo mas se esse tempo é necessário para resolver então reuna toda a sua paciência porque o que importa é resolver demore o tempo que demorar.

Culpa por o seu amigo ter tomado a decisão de pôr fim à vida!....
Eu compreendo a que culpa se refere mas no limite cada um é responsavel pela sua própria vida, as decisões pertencem a cada um, nós podemos lamentar o resultado dessas decisões mas pouco mais do que isso.
Se nós nos mostramos atentos ao sofrimento do outro, se nos mostramos compreensivos, se transmitimos o nosso afecto e demos a nossa disponibilidade, se apesar disso alguém decide partir, então só podemos lamentar essa decisão mas nunca culpa.

Fique bem!

De ©Marcolino Duarte Osorio a 25 de Agosto de 2009 às 01:25
Olá, CC!
Morrer-se às própria mãos, sob os efeitos secindários da tristeza, já vi um amigo sucidar-se, e eu, bem perto bem longe, desesperado, sem nada poder fazer, para que ele não consumasse, daquela forma, o seu desprezo total, à sua própria Vida!
Ele morreu! E eu fiquei, durante tempos infindos, com o sentimento de culpa, por não o ter podido travar...!
Se o apanhasse vivo, de novo, dava-lha um estaladão e pêras, apesar de não o fazer sentir o mesmo, que me fez sofrer, durante mais de uma década!

Estou de volta, mas só para finais de Setembro é que as coisas, saúde, estarão endireitadas!

Marcolino

De Aníbal V a 20 de Agosto de 2009 às 00:58
- Pode morrer-se de tristeza?
Não sei. Mas sei que a tristeza ajuda a morrer.

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Agosto 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
15

16
17
19
20
22

23
24
26
27
29

30
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: