11.9.09

 


  

Quer dizer, andamos para aí com uma ideia alojada no cérebro a dizer-nos que devemos alguma coisa a alguém, seja uma pessoa ou um Deus. Faz comichão.

Ao mesmo tempo, claro está, é porque nos aconteceu algo de bom, ou recebemos algo valioso (amizade, um bom conselho, ajuda para resolver um problema, um Porsche Carrera...).

Vá lá que hoje em dia a gratidão parece estar em vias de extinção. Quando nós nascemos, não sabemos já que tudo nos é devido? Não foi para isso que viemos aqui parar, para ser felizes? Para quê sentir gratidão por ter saúde, amigos, família, um tecto sobre a cabeça, trabalho. E as obrigações, sobretudo o conceito de estar em dívida a alguém, é um aborrecimento.

É então que normalmente entra em jogo a realidade. A vida nem sempre corre bem. Aliás, muitas vezes não corre nada bem. E é injusta. E passa-nos rasteiras. E julgamos que tomamos a decisão certa e quando damos por ela, tudo se desmoronou à nossa volta. Ou então, um belo dia fomos de férias para um destino exótico e reparamos que há pessoas a nascer, viver e morrer nas ruas, a passar fome e a ver os filhos a morrerem-lhe nos braços. Pessoas sem nenhuma das coisas que tomamos por certas.

Quando era miuda, um gelado de chocalate chegava para eu me sentir agradecida. Na adolescência juntei outras coisas: ter amigos divertidos e boas notas – precisamente por esta ordem. Depois fui acumulando outras coisas, como ter tanta gente que gosta de mim e de quem eu gosto tanto e não ter dívidas ao Fisco.

Agora estou a tentar passar ao patamar seguinte, aquele em que agradecemos por aquela velhinha que vai a conduzir o carro à frente do nosso a 12 km/hora quando já estamos atrasados para o compromisso mais importante da nossa vida, porque nos vai ensinar a ser mais pacientes e a exercitar o auto-controlo.

Ou quando estamos na fila na estação dos correios há meia hora e alguém nos passa “distraidamente” à frente, porque vamos poder conversar sobre o que é o civismo e depois vamos ter uma oportunidade de testar os nossos reflexos.

É claro que há dias em que tudo isto falha e eu mando a gratidão às urtigas. Se bem que isso é outra história...já fizeram algum artigo sobre “a neura”?

Mas de um modo geral, sinto-me muito grata por ter tanta coisa de que me sentir agradecida.

Ah, e em jeito de nota de rodapé: sempre que possível, é mooontes de giro retribuir toda essa gratidão que sentimos dando aos outros motivos para se sentirem agradecidos também.

 

Dora Cabral

 
Temas:
Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 01:12  Comentar

De Aníbal V a 22 de Setembro de 2009 às 16:29
Obrigado, Dora!

De Rui Duarte a 14 de Setembro de 2009 às 16:32
É de facto muito importante estarmos gratos por tudo. Principalmente pelas coisas que parecem ser mais simples ou menos importantes. Nessas reside a verdadeira essência da vida e são as mais dificeis de se perder. Os bens materiais vão e vêm mas o beijo de um filho numa tarde de verão dura para sempre.

De ©Marcolino Duarte Osorio a 11 de Setembro de 2009 às 04:32
Olá, Dora!
Li atentamente o seu artigo, sem me deixar levar pelas emoções, desejava ver até onde iria com este seu desafio. A resposta encontrei-a no seu penúltimo parágrafo: «Mas de um modo geral, sinto-me muito grata por ter tanta coisa de que me sentir agradecida.»
Cumprimentos
Marcolino

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Setembro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
14
16
17
19

20
23
24
26

27
28
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: