18.9.09


 


Pedro descobrira aquele refúgio por mero acaso. Uma improvável conjugação rochosa criara uma gruta de difícil acesso, dimensões consideráveis e quase impenetrável à luz. Fechou os olhos e avançou com movimentos delicados, tacteando o chão e as paredes, até encontrar uma zona de areia fina onde se sentou.

 

Ali, completamente só, despojado de tudo, envolto pela escuridão e pelo silêncio, pensou ter finalmente encontrado o que há muito tempo procurava: a tranquilidade e a paz. Sentiu-se muito leve, quase suspenso, liberto de demónios antigos que antes o asfixiavam. E assim se abandonou durante horas, numa renúncia confortável e reparadora.    

 

De súbito, um raio de luz rasgou a gruta e criou na areia um círculo de contornos precisos. No centro, um pássaro vermelho, resplandecente, fitava Pedro. Instintivamente fechou os olhos, mas não conseguiu mantê-los cerrados nem desviar o olhar daquela presença de vida tão esmagadora. Sentiu-se inquieto, desconfiado e com medo. Os sentimentos negativos tinham voltado. E Pedro percebeu que a gruta apenas lhe proporcionara tranquilidade, mas não lhe trouxera a paz.

 

José Quelhas Lima


 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 04:18  Comentar

De Aníbal V a 22 de Setembro de 2009 às 16:48
Conseguir a paz - senti-la, vivê-la, defendê-la, é muito difícil para o ser humano. É difícil dentro de cada um de nós e ainda mais difícil fora de nós.
Parece ser bem mais fácil fazer a guerra, transformar a nossa falta de paz interior numa guerra com os outros.
Infernos interiores passam, muito facilmente, a infernos exteriores, generalizados. E o outro, com facilidade, passa a ser o culpado de tudo o que de mau vai dentro de nós. O inferno é o outro e é necessário combatê-lo. Fazer a guerra, em busca e em nome da paz que não conseguimos construir.

De ©Marcolino Duarte Osorio a 18 de Setembro de 2009 às 18:48
Belo!

Marcolino

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Setembro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
14
16
17
19

20
23
24
26

27
28
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: