20.10.09


 

Sentia-se confortável. Tão velha como ele, a cadeira de repouso envolvia-lhe as costas, sustentava-lhe os braços, moldava-se às pernas e amparava-lhe a nuca de tal forma, que o seu corpo parecia flutuar, imponderável.

 

Gostava dos fins de tarde de Outono e da luz mansa que se espraiava pela casa. Os objectos adquiriam tons quebrados e formas difusas, remetidos para a sua importância funcional. Lá fora, a figueira dos seus tempos de menino, espreitava pela janela e acenava, impelida pelo vento.  

 

Já passara um ano sobre o maldito AVC e persistiam as dificuldades de coordenação de movimentos. Em tudo dependente - até para dormir - aguardava que alguém o deitasse ou o trouxesse para a velha cadeira onde permanecia todo o dia. Ali passava longas horas, sozinho, assombrado por recordações, revisitando pessoas e sentimentos. Por vezes retinha as imagens mais agradáveis, alongava-se nos detalhes e dormitava sobre eles. Mas dias havia em que fragmentos dolorosos do passado se impunham e dominavam os pensamentos. Nessas alturas, levantava os olhos para a velha figueira e seguia-lhe os movimentos ondulantes até alcançar um estado hipnótico e libertador.

 

Apesar de tudo, sentia-se bem naquela tarde. Percorreu os tempos em que subia à figueira e as vezes sem conta que de lá caiu. A velha face enrugada e trémula esboçou um esgar, quase um sorriso. Recordou o amigo que muitos anos atrás lhe dissera já ter tido um A, um B e um C, receando continuar, de acidente vascular em novo acidente, até ao final do abecedário. E riu-se contidamente por dentro. Cheirou a hortelã acabada de cortar e as rosas vermelhas que bordejavam o canavial. Desceu ao rio de sempre e tocou nas águas luminosas e transparentes. E ficou muito tempo na margem, seguindo as folhas levadas pela corrente. De súbito, o rio parou e a imagem do seu rosto de menino surgiu reflectida na água.    

 

O tabuleiro de figos no parapeito de sol; as iscas de bacalhau do Solar das Andorinhas, o gato preto, enorme, no tapete da sala; ”- a nogueira secou”; o corredor imenso, cheio de fantasmas de luz e sons; os cheiros da sobreloja e a galinha ao fundo, imóvel no cesto; ”- já chegou o menino Jesus”; as sobrancelhas do professor Borges; as mãos macias e quentes da mãe. Era sempre assim: recordações aleatórias acotovelavam-se no final do dia e terminavam com a imagem da mãe, segurando-o no colo. ”Amanhã, pensou, vou visitar a escola e, se tiver tempo, vou comer umas iscas da “Ti Rosa”.

        

Sentiu a mão da filha a percorrer-lhe a cabeça. Começava o ritual diário que anunciava a hora de se deitar. Compensou com o olhar os gestos que o corpo recusava e deixou-se levar.    

           

José Quelhas Lima


 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 15:19  Comentar

De Fazer Email Hotmail a 24 de Outubro de 2009 às 17:41
De facto, é um turbilhão de emoções vividas ...

De Zilda Cardoso a 23 de Outubro de 2009 às 14:40
Muito bonita a história e muito bem contada.
Permito-me agradecer a amabilidade de CC e peço-lhe que leia a resposta ao s/comentário a propósito de jardins do Porto e de Lisboa no m/blog.

De ©Marcolino Duarte Osorio a 21 de Outubro de 2009 às 09:13
O que se foi
No que se tornou
Uma verdade actual
Uma corrente sem fim
De recordações

Marcolino

De Cidália Carvalho a 20 de Outubro de 2009 às 21:16
Que bonita viagem à infância!

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

>Alexandra Vaz

>Ana Martins

>Cidália Carvalho

>Ermelinda Macedo

>Fernando Couto

>Jorge Saraiva

>José Azevedo

>Leticia Silva

>Maria João Enes

>Rui Duarte

>Sandra Pinto

>Sandra Sousa

>Sara Almeida

>Sara Silva

>Sónia Abrantes

>Teresa Teixeira

Outubro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
17

18
19
21
22
23
24

25
26
27
29
30
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: