28.10.09

 


 


Foi num fim de tarde de Agosto. Num dia daqueles em que o sol raia de tal forma intenso que reflecte no chão e faz doer os olhos mal se sai de casa, torna o ar tão pesado que é preciso respirar fundo para conseguir que ele entre pelos pulmões e areje os brônquios e os alvéolos.

Foi num desses dias que eu o vi pela primeira vez. Tinha acabado de sair de casa para me sentar no banco de jardim em frente, com um pão com marmelada numa mão e um copo de leite na outra, os olhos apenas ligeiramente abertos para me proteger do sol e ainda a ouvir as recomendações da minha mãe “Joana: não vás para longe!”.

 

Mal me sentei ouvi o chiar da cadeira… depois o arfar ofegante do que me pareceu ser uma pessoa num extremo sofrimento. Fiquei assustada, deixei cair o pão, levantei-me do banco de repente e corri para dentro do portão da entrada onde fiquei à espera… Continuava a ouvir o barulho que depois percebi ser o som da respiração de alguém, alguém em esforço. O som cada vez mais intenso, cada vez mais forte, aproximava-se… De repente ele passou. Eu, do lado de dentro do portão, encolhi-me, mas não fui capaz de fugir. Fiquei ali a olhar, aterrorizada… E ele passou… Devia ter aí uns 45 anos, tinha uma pele escura queimada pelo sol, o tronco e o pescoço largos, uns braços enormes que balanceava para trás e para a frente agarrando as rodas da cadeira. A cada movimento soltava um gemido, com os dentes cerrados e o suor a escorrer em bica pela testa. Encolhi-me mais por trás do portão e espreitei por baixo para ver melhor… Vestia uma t-shirt de alças, gasta, e uns calções azuis que cobriam o início das coxas. A certa altura estas desapareciam e o que sobrava dos calções abanava com o resto do seu corpo à medida que a cadeira de rodas progredia no passeio. Passou por mim sem parar. Desviou ligeiramente o olhar do caminho, os nossos olhos cruzaram-se e esboçou um sorriso. Rapidamente olhou novamente em frente e continuou com determinação o seu caminho.

 

Eu permaneci imóvel enquanto olhava o seu (“meio”) corpo enorme na cadeira a desaparecer ao longe, o som cada vez mais baixo da sua respiração ofegante, ficando para trás apenas o chiar das velhas rodas de ferro.

 

Joana Gonçalves
Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 14:41  Comentar

De Videos a 4 de Novembro de 2009 às 14:03
Bionic Man ...

De Marcolino - Fotografia a 29 de Outubro de 2009 às 01:28
Joana,
Belissima capacidade descritiva!
Abraço
Marcolino

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Outubro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
17

18
19
21
22
23
24

25
26
27
29
30
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: