8.11.09


 


A propósito das Jornadas:

 

Mais uma vez, o Mil Razões… concedeu-nos um dia repleto de especialistas que partilharam o seu saber e experiência, tendo por mote essa temática tão pertinente que é o suicídio.

Desde a doença física à doença psiquiátrica, ao sofrimento dos que se encontram privados da liberdade, aos que se encontram na última etapa da sua vida, até à forma como a comunicação social faz notícia deste acontecimento trágico, foram diversificadas as abordagens, sem nunca esquecer o ser humano como um ser pleno e multidisciplinar.

Como vem sendo apanágio destes simpósios, o evento não terminou sem antes assistirmos à visão humorística do tema, através da participação especial, em vídeo, do Jorge Mourato.

Foi assim passado o dia nesse acolhedor espaço da Biblioteca Municipal Almeida Garrett, inserida no belíssimo jardim do Palácio de Cristal. Foi, certamente, um momento enriquecedor para todos quantos nele participaram. E foram muitos, pois mais uma vez estiveram totalmente preenchidos os lugares disponíveis.

Ao Mil Razões…, pela forma séria e eficiente como tem promovido estes momentos científicos, só posso dar os parabéns e desejar que continuem a promover dias como este. Até ao próximo!

 

Ana Santos

 

  

 

Gostei de ver aquela sala cheia e de constatar que há pessoas interessadas em saber mais, logo, potencialmente em terem um papel mais activo, sobre algo de que pouco se fala mas que existe, que quando acontece é trágico e que, espera-se, estando nós mais informados, poderemos ajudar melhor a prevenir.

 

Ana Álvares

 

 

 


Acabo de chegar das 2as Jornadas sobre Prevenção do Suicídio.

Feliz por ter sido um sucesso em todos os sentidos: casa cheia de gente curiosa e interessada nestes temas de saúde mental, e oradores experientes com partilhas importantes e interessantes.

Obrigada Mil Razões… por permitir a exploração e divulgação destes temas!

Uma vida é um tesouro... se conseguirmos dar alento, apoio, compreensão a alguém, terá sido uma grande vitória!

 

Ana Lua


 

 

 

Estas são algumas das opiniões a propósito do simpósio que o Mil Razões… organizou com o fim último de prevenir o suicídio.

Com a firme convicção de que conhecer é prevenir, esta foi mais uma oportunidade de aumentarmos os nossos conhecimentos com os que lidam com esta temática e que quiseram, graciosamente, dispor do seu tempo para partilharem os seus conhecimentos e as suas experiências. Refiro-me obviamente aos palestrantes e é para eles que vai o nosso primeiro agradecimento.

Os interessados em ouvi-los foram muitos e o sucesso do evento deve-se também à numerosa assistência. Obrigada por terem aderido.

E claro, aos Voluntários que se envolveram na organização, o reconhecimento de todos nós.

 

 

 

Sobre os conteúdos:

 

  

 

O Professor Doutor António Leuschner deu início às Jornadas relevando a importância deste tipo de iniciativas e encorajando a que outras mais ocorram.

 


 

Preocupante foi percebermos quão difícil é mantermo-nos em equilíbrio, que ténue e estreita é a linha que separa as zonas do défice e do excesso funcional. Rapidamente se passa da tristeza à exuberância, do apego ao desapego, alterações que ocorrem, a maior parte das vezes, sem que saibamos explicá-las.

 

 

 

Curiosa é a também a interacção funcional entre os nossos órgãos internos, uns dão, outros recebem energia, mas todos trabalham para que nos sintamos bem e em equilíbrio, à semelhança do que acontece na natureza e com os seus elementos: a madeira, o fogo, a terra, etc..

 


 

Mesmo crendo que esta filosofia de vida teve as suas origens na China, o que a Dr.ª Paula Fernandes e o Enfermeiro Augusto Nascimento quiseram transmitir-nos, é que é comum a todos os homens.

 

 

 

Menos exotérico foi o Mestre Nuno Moreira, mostrando-nos uma realidade tantas vezes ignorada de tão inconveniente: as elevadas taxas de suicídio na população reclusa. A vulnerabilidade do indivíduo, o stress e a falta de coping são alguns dos factores que contribuem para os números. Esta intervenção não se limitou a retratar a realidade prisional e deu-nos a conhecer o protocolo preventivo. A prevenção do suicídio em ambiente prisional passa pelo staff e a informação obviamente partilhada, mas também pelo acompanhamento do recluso e, muito importante, pela arquitectura e pelas condições do alojamento.

 


 

O Dr. Bessa Peixoto “desembrulhou” para nós, com clareza e pormenor, a temática do suicídio:

-     O suicídio enquanto doença psiquiátrica;

-     O comportamento do suicida;

-     Factores potenciadores de suicídio

-     População de maior risco de suicídio

-     Características pessoais potenciadoras de suicídio.

 

  

 

Contamos com a experiência do jornalista Joaquim Letria para falar sobre a importância da comunicação social na abordagem que faz ao suicídio. E ele falou. No jornalismo, existem 188 códigos deontológicos a nível mundial, mas apenas 13 falam de suicídio. O Instituto Australiano define que só deve ser noticiado se for do interesse público e evitando os pormenores.

 


 

Historicamente, o suicídio já foi considerado crime e em Portugal era tanto assim, que os órgãos de comunicação social não podiam dar notícias deste acto; valia-se a comunicação social de figuras de estilo que alguns de nós ainda recordam, tais como: “morreu vítima de um acto tresloucado”. Mas de uma forma discreta, quase a tocar o proibido, passaram as notícias a ser dadas com tanta descrição que pode ter efeitos indesejáveis.

 


 

Depois do almoço no restaurante do Palácio de Cristal, onde todos pudemos confraternizar, o jornalista da RTP, João Ramos, moderador do Painel da Tarde, deu a palavra à Procuradora Joana Marques Vidal. A violência familiar, não estando ignorada na nossa sociedade, nunca é demais trazer a público.

 

 

 

O Professor Doutor Duarte Nuno Vieira, com muito humor, arrancando gargalhadas à assistência, deixou-nos a consciência de que nem tudo o que parece é. A autópsia e a análise do local revelam, não raras vezes, que afinal o que parecia ser acidente é homicídio e o que parecia ser homicídio é suicídio. As imagens violentas que desfilavam no ecrã contrastavam com o sentido de humor e a leveza que o palestrante punha no seu discurso, a ponto de o horrível parecer cómico.

 

 

 

O Professor Doutor Carlos Poiares iniciou a sua dissertação referindo que coesão social e suicídio tendem para sinais opostos - menos coesão social mais suicídios.

A incapacidade dos idosos, e a falta de alternativas e de respostas institucionais aquietam os idosos a violências que não são compreensíveis nem aceitáveis.

 

 

 

Finalmente, e como sempre, as Jornadas terminaram com uma nota de boa disposição, desta feita um filme oferecido pelo actor Jorge Mourato.

 

Nunca é demais mostrar o nosso reconhecimento a todos. Reencontrar-nos-emos brevemente.

 

Cidália Carvalho

 
Temas:
Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 03:32  Comentar

De Queda Cabelo a 9 de Novembro de 2009 às 16:46
Gosto muito do Jorge Mourato

De Ana Lua a 8 de Novembro de 2009 às 14:22
CINCO ESTRELAS!!!
:-)

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Novembro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
14

15
16
17
18
19
20
21

23
24
26
27
28

29
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: