22.11.09


 


Na noite de 25 para 26 de Outubro de 2009, durante a madrugada, um menino de 4 anos fugiu da casa dos pais, em Comines, pequena cidade Belga, depois de os ouvir discutir violentamente. Younes Jratlou, assim se chamava o menino, apareceu duas semanas depois, morto, no rio Lys, a 12 Km de casa, descalço e com pouca roupa, conforme informações dadas pelos pais quando se aperceberam que o filho tinha fugido.

As causas da morte não estão ainda apuradas, mas parece não existirem dúvidas quanto às razões que levaram o menino a sair para o escuro da noite, tantas vezes motivo de medos e pesadelos naquela idade, e a enfrentar, quase desnudado, o frio que já se faz sentir nas noites de Outono: acabar com o sofrimento de mais uma discussão entre os pais!

 

Procuro esvaziar-me de outros interesses e atenções, e concentrar-me no pequeno Younes, dar-lhe a atenção que não teve, precisava e, sobretudo, merecia. Este exercício de nada lhe vale e só a mim serve, para me ajudar a aceitar a situação.

Mas como poderei aceitar que alguém tão frágil tenha sido tão desprotegido e descuidado, justamente por aqueles que deveriam ser o garante da sua segurança? 

Perante a dor, como foi possível que a criança não tivesse procurado alguém que a confortasse e, desesperada, tenha posto a sua própria vida em risco?

Embora raro, o suicídio infantil existe e situações de stress com as quais a criança não sabe lidar, são factores de risco. O facto de as crianças não sentirem a morte como uma situação irreversível e criarem fantasias, achando que a vida é melhor depois da morte, é também um factor de risco. Por uma ou outra razão, objectivamente, não me parece haver dúvidas quanto à intenção do menino ao fazer-se à noite e ao aproximar-se do rio.

 

Estou em processo de luto!

 

Não sei como os pais do Younes estão a enfrentar a perda do filho, não sei nem quero ainda pensar nisso, este ainda é o momento de pensar no menino morto. 

 

Cidália Carvalho

 
Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 02:00  Comentar

De Cidália Carvalho a 24 de Novembro de 2009 às 22:13
Olá Cecília,
È bom ter notícias tuas.
Bjnh

De Cecília Pinto a 24 de Novembro de 2009 às 13:51
Terrível a perda de uma criança em tão tenra idade, por motivos tão evitáveis, do que se tratasse de uma doença ou acidente...infelizmente a morte não volta atrás, apenas permanece...é chocante e não é nosso filho...nem eu sou mãe, mas mesmo que fosse seria tão dificil imaginar o que iria realmente sentir...sei de fonte próxima aquelas crianças que não morrem, mas podiam, sobrevivem..trazem essa criança dentro de si e é difícil olhar para trás, porque a ferida não cicatriza...que o younes descanse em paz...pelo menos onde estiver, esteja em paz...

De Cidália Carvalho a 23 de Novembro de 2009 às 23:06
Alexandra,
Não me custa imaginar o que estás a sentir...

Bjnh

De Cidália Carvalho a 23 de Novembro de 2009 às 23:05
Pois é Marcolino, não há palavras...

Estive no seu espaço e deixei um comentário, não percebi nada do que aconteceu porque o comentário apareceu com outro nome.
Coisas de máquinas e qu eu não domino...

Fique bem!

De Cidália Carvalho a 23 de Novembro de 2009 às 23:02
Olá Joel!
Bem vindo a este nosso espaço.
Que esta seja a 1ª de muitas participações.

Fica bem!

De Joel a 23 de Novembro de 2009 às 22:17
É um planeta estranho, este. Muito estranho.

De Marcolino a 23 de Novembro de 2009 às 02:38
Olá, Cidália!

...

Marcolino

De Alexandra Vaz a 23 de Novembro de 2009 às 02:29
Cidália,

É, sem dúvida nenhuma, das coisas mais tristes que li em toda a minha vida. Saber que existem situações como esta está para lá do humanamente aceitável.
Esta noite, as minhas preces incluem o pequeno Younes. Também me sinto de luto...

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Novembro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
14

15
16
17
18
19
20
21

23
24
26
27
28

29
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: