11.12.09


 


Haverá gente informada que desconheça de todo o Natal? Uns mais, outros menos, alguns desta maneira, outros doutra, fulano concordando, sicrano discordando e beltrano assim-assim, é difícil encontrar alguém que não tenha opinião sobre esta data. Há poucas dúvidas sobre o que se deve fazer em cada contexto cultural e familiar para se vivenciar esta época. Há uma postura natalícia, um semblante que transmite um estado de alma tipicamente natalício. Há uma espécie de sentimento colectivo de bondade, solidariedade e partilha. Cumprimentam-se desconhecidos porque há maior probabilidade de sermos cumprimentados de volta. Os conhecidos são promovidos a amigos e os amigos a irmãos. Os gestos ganham um novo significado e nunca, em parte alguma, alimentar os pombos no parque deu tamanha sensação de bem-estar.

 

O Natal poderia bem ser um conto de fadas, com as virtudes organizadoras dos caóticos inconscientes das crianças que os contos de fadas encerram, mas falha num pormenor: não é opcional. E, por muito que se tente, não é fácil sobrar às investidas natalícias que todos os canais, ruas, lojas e demais agentes comerciais fazem.

O Natal poderia ser um símbolo, um daqueles símbolos que sintonizasse as pessoas, todas as pessoas, num padrão universal de boa vontade. Um arquétipo de alegria, felicidade e de todas essas coisas boas que procuramos incessantemente desde o dia em que nascemos.

O Natal poderia ser tudo aquilo para que foi inventado. No entanto, não é. Escapa, como água das mãos, no essencial. Como explicar ao solitário que o Natal é partilha? Que alegria se encontra naqueles que perderam tudo? É possível fazer um intervalo na amargura, suspender a tristeza? Quanta pressão recai sobre aqueles que, chegada a época festiva, se obrigam contrariados a colocar a máscara festiva?

 

Todos precisamos de contos de fadas para que o mundo real se faça através da imaginação. Todos precisamos de símbolos para que nos entendamos e nos unamos. Fantasia e união deveriam ser os grandes objectivos do Natal, a razão da sua invenção. Fosse possível subtrair o Homem ao Natal e teríamos o Natal perfeito.

Não admira pois que haja um Natal por cada pessoa e que, no final, cada um deles seja tão diferente do inicial, do esperado, do dos outros. É o Natal que temos, é o nosso Natal, com os primores e desgraças da exclusividade. E é admirável o esforço que investimos na tentativa de colar o nosso Natal ao dos outros, presenteando presentes bonitos, comendo comidas alegóricas e cumprindo todo o ritual instituído pelos agentes comerciais e também pela cultura e família.

 

Há, no fundo, tanto Natal na alegre criança que recebe montes de brinquedos como no idoso que, sozinho e doente, alimenta os pombos no parque da cidade ao fim da tarde, desde que ninguém note a diferença.

 

Smith

 
Temas:
Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 02:02  Comentar

De Smith a 15 de Dezembro de 2009 às 14:37
Obrigado, Cidália. Gostei muito do seu comentário cirúrgico. A ideia é precisamente essa. Um abraço.

De Cidália Carvalho a 14 de Dezembro de 2009 às 23:43
Desculpa, o comentário anterior não era para sair anónimo.

De Anónimo a 14 de Dezembro de 2009 às 23:41
Smith,
Gostava de poder acreditar que há tanto Natal na criança que recebe muitos brinquedos como no idoso que sózinho e doente tem por companhia os pombos... é que se o Natal é democrático e todos o podem viver, a verdade é que alguns vivem-no como podem e não como querem.

Gostei muito do texto.
Fica bem!

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Dezembro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

14
16
17
19

21
23
26

28
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: