15.12.09


 


Quando pensamos no Natal, a primeira imagem que nos surge leva-nos para os convívios em família alargada, com todas as gerações da família reunida.

As matriarcas na cozinha a ultimar as doçarias da época, os patriarcas a discutirem o mais recente acontecimento político do panorama nacional enquanto vão bebericando um cálice daquele Porto antigo que só respira nestas alturas, e as crianças a correrem e a explorarem tudo o que o tempo e os adultos lhes vão permitindo, enquanto não chega a hora de rasgar aquele papel mágico que provoca labaredas de mil e uma cores na lareira que a avó diligentemente acendera para manter a família quente e confortável.

 

No entanto, tal como tudo na vida, também o Natal é mutável e vai-se pintando de tonalidades diferentes ao longo da vida...

Hoje em dia, tenho um Natal um bocado ao lado do que é tradicional. A Avó deixou de existir, deixei de voltar à casa da Avó e comecei a viajar nesta época para diferentes destinos com a família mais próxima.

Se no início tudo isto me soava algo estranho e me sentia deslocado e com saudades dos natais de criança, com o tempo também esta forma de Natal se foi tornando tradicional e familiar, apenas um pouco ao lado.

Deixou de haver troca de prendas, mas passou a haver a felicidade de conhecer novas formas de viver o Natal. Deixou de haver filhoses e rabanadas, mas passou a haver cachorros quentes debaixo da Torre Eiffel. Deixou de haver toda a família alargada junta, mas passou a haver um encontro de culturas em cada catedral visitada. Deixou de haver o cálice de vinho do Porto, mas passou a haver a caneca de vinho quente com canela que aquece a noite fria enquanto não chega a hora da Missa do Galo em Checo.

No entanto, por mais diferenças que encontre entre os Natais de hoje e os de antigamente, existem pontos que se mantêm.

A ansiedade de ver o Natal chegar, estar com as pessoas que nos querem e que tanto queremos, mas acima de tudo, o que se vai mantendo são a memórias boas que vou construindo a cada Natal que vai passando. E hoje acredito que mais importante do que qualquer prenda material que possamos receber, é o que vivemos nesta época que faz com que seja tão especial.

 

Alexandre Teixeira

 
Temas:
Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 18:07  Comentar

De Alexandra Vaz a 16 de Dezembro de 2009 às 02:40
Sabes Alex, cada vem mais acredito que são as pequenas coisas que tornam os momentos mágicos, até no Natal. A ideia dos cachorros quentes debaixo da Torre parece-me um bom exemplo. E as rabanadas. E os que amamos connosco. :) Feliz Natal!

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Dezembro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

14
16
17
19

21
23
26

28
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: