26.1.10

 


 


O que lhe parecia impossível, aconteceu...

As dores, tão insuportáveis que chegou a temer não aguentar, esfumaram-se, deram lugar à alegria de ser mãe.

Enlevada, olha o filho que a enfermeira lhe pôs sobre o ventre. Retrai o impulso de lhe tocar; parece-lhe tão frágil que tem medo de o magoar. Depois, timidamente, afaga-lhe a carinha, as mãos e os pezinhos - é perfeito. Ternura é o que transmite nos gestos e a cada choro, ou tremura, encosta-o mais a si; quer que se sinta seguro.

 

Ainda no gozo deste primeiro encontro e já o marido irrompe pela sala, ansioso, e como ela, feliz. Hesita, não sabe a qual deles dar atenção. Olha o filho com amor enquanto acaricia a sua mulher.

Ela sente-se completa e muito orgulhosa, também ela conseguiu dar à luz...

Uma lágrima solta-se a reclamar a recompensa: atento ao sinal, ele beija-a. Entre ambos, promessas mudas de estarem sempre juntos e serem uma família feliz.

 

Inexperientes na tarefa de criar e educar fizeram do tema motivo de grandes diálogos; com o tempo, terminaram em grandes discussões. Discordaram de pequenas coisas, acabaram em total desacordo.

 

---

 

“Gosto muito dos meus pais mas fico muito triste porque estão sempre a discutir”.

 

Quiseram poupar o filho ao estigma de “filho de pais separados”; lutaram por aquela união. O empenho foi recíproco mas as zangas sucediam-se e as acusações eram mútuas. Ele cada vez mais ausente, ela cada vez menos compreensiva e tolerante, ambos a reclamar para si o esforço de ainda estarem juntos. Entre eles, a preocupação com o bem-estar do filho, com o seu futuro.

 

---

 

“Em casa do meu pai tenho mais liberdade, posso fazer o que quero mas também gosto de estar em casa da minha mãe. Ela obriga-me a estudar mas depois deixa-me brincar com a playstation”.

 

Cidália Carvalho


 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 02:05  Comentar

De Alexandra Vaz a 29 de Janeiro de 2010 às 00:05
Ana,

poucas palavras que dizem tudo...

De Ana Gomes a 27 de Janeiro de 2010 às 22:59
Para ultrapassar um "drama" precisamos, primeiro que tudo, de sair dele... "Mais vale ser de um lar desfeito do que viver num lar desfeito". A frase não é minha mas subscrevo-a na totalidade.

De Cidália a 26 de Janeiro de 2010 às 23:39
Joel,

Ser filho de pais separados não é um drama, mas em momentos criticos pode vir ao de cima o estigma. È preciso ser "bem formado/a" para não se cair na vulgaridade de se tecerem considerações ao comportamento das crianças sem atender à situação dos pais.
Mas tendemos a melhorar, acredito nisso

De Cidália a 26 de Janeiro de 2010 às 23:32
..."Penso que o que uma criança precisa acima de tudo, é de amor, e esse pode ser dado pelos pais, independentemente do facto de estarem juntos ou não."

Manuela,
Completamente de acordo contigo. Penso que todos concordam com isto, o problema é que quando há problemas entre um casal, facilmente se esquecem e os filhos passam, muitas vezes, a ser instrumentalizados por cada um dos pais.
Jogam os filhos e com os filhos e estes, atentos, depressa sabem tirar proveito deste joguete. Mas faça-se justiça, há famílias que, separadas conseguem um bom entendimento.

De Joel a 26 de Janeiro de 2010 às 21:13
Eis um dos maiores pomos de discória (e de concórdia) entre casais. Os filhos, a sua criação e educação, as expectativas que neles são colocadas, a visão de pai e mãe nem sempre coincidem. Não havendo concessões aqui ou ali está traçado o caminho do divórcio. Não me parece um drama ser-se filho de pais separados. Não será certamente a situação ideal mas, em muitos casos, será certamente a melhor.

De manuela sousa santos a 26 de Janeiro de 2010 às 16:13
Cidália, gostei bastante do texto porque aborda vários sentimentos. Muito actual o tema da Família .
O amor incondicional por um filho. A alegria do seu nascimento. No meu ponto de vista a maior alegria que temos na vida.
Em contraste , os pontos baixos – tentativa de manter um casamento, apesar de…
Mas, infelizmente, um filho não é hoje em dia um argumento suficiente para duas pessoas se manterem juntas.
Penso que o que uma criança precisa acima de tudo, é de amor, e esse pode ser dado pelos pais, independentemente do facto de estarem juntos ou não. Tudo é preferível a um mau ambiente onde não exista paz, factor de extrema importância para um crescimento saudável.
Bem ajam os casais que têm muitos filhos (bem precisamos de uma renovação na população) e que conseguem ultrapassar todas as adversidades da vida.


Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Janeiro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
16

17
18
20
21
23

24
25
27
28
29

31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: