5.2.10

 


 


Sentado na esplanada, Adolfo cumpria o ritual diário que o acompanhava há muitos anos. Maquinalmente, dividia o tampo redondo da mesa em três partes. O terço à esquerda era ocupado pelo jornal da casa; o da direita pelo carioca de limão e o restante pela enorme bolsa de cabedal a rebentar de documentos, fotos, cartões de desconto, recortes de jornais e outras inutilidades.

Começou por esmagar a casca do limão e lançar os olhos sobre os títulos da primeira página. Acrescentou meio pacote de açúcar e mexeu, mexeu, lentamente mexeu até se convencer de que o composto adquirira o ponto ideal. Virou o jornal ao contrário e começou a leitura da última página. Ainda se sentia incomodado pelo texto que lera há muitos anos anunciando que as mulheres, ao contrário dos homens, lêem os jornais e revistas de trás para a frente.

Um artigo sobre o regime dos mullah prendeu-lhe a atenção. Não entendia a posição do Ocidente. Achava, entre dois goles de carioca, que a solução passava por arrasar todo o Médio Oriente e parte da Ásia. Solucionava-se o problema do Iraque, da Síria, do Irão, do Afeganistão, do Iémen, do Paquistão e de mais alguns que os seus conhecimentos de geografia e de política não abarcavam. Colocavam-se os israelitas a explorar o petróleo dos sultanatos e emiratos, e finalmente tínhamos paz e petróleo para sempre.

 

Na mesa seguinte, Alzira puxou de um cigarro, rolou-o entre o polegar e o indicador, hesitou, mas acabou por sucumbir a um período de abstinência de vários meses. Recostada na cadeira para melhor inspirar, cerrou os olhos e abandonou-se ao vício de há muitos anos.

Mínima 2 graus, máxima 9. Vento moderado a forte de noroeste e períodos de chuva com abertas para o sul. Assim se explicava: a fulana que se sentara na mesa seguinte estava precisamente a noroeste da sua mesa. “Apague o cigarro”, resmungou num tom capaz de intimidar o mais radical ayatollah. Alzira, mulher de poucos medos, fulminou-o com o olhar, apagou o cigarro mas acendeu outro, logo de seguida. Adolfo levou a chávena à boca e sentiu um forte sabor a limão. Folheou nervosamente o jornal e fixou-se num artigo sobre esse conjunto de bactérias a que chamamos vaca, principal produtor de metano, um dos principais responsáveis pelo aquecimento global. Um sorriso prenunciador de vingança percorreu-lhe a face. Chamou o empregado e encomendou: um bife grelhado com manteiga, um copo de leite e uma fatia de queijo de vaca. Ah! E um iogurte.

 

José Quelhas Lima


 

Temas: ,
Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 02:05  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Fevereiro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

14
15
17
18
20

21
22
24
25
26
27

28


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: