2.4.10

  


 


A Sr.ª Escrita convidou as outras artes para um lanche. Chegou cedo para fazer as honras, escolheu uma bonita esplanada em frente ao mar e uma mesa onde pudessem banhar-se de sol naquele final de tarde luminoso como há muito não havia, naquele Inverno que parecia não querer acabar.


Enquanto aguardava foi olhando à sua volta e cada pormenor lhe agradava mais do que o outro. O mar, de tonalidade enganadora, ora azul ora verde, salpicava de espuma branca a areia da praia que hoje estava ainda mais dourada. As gaivotas, em grupo ou isoladas, completavam este quadro de perfeita harmonia.

A Sr.ª Escrita experimentou uma suave tranquilidade e logo se encheu de vaidade por se sentir o meio preferido dos Humanos para descrever um momento assim. Com sorte, se a pessoa que a usar o fizer bem feito, provoca reacções, descobre emoções, mexe com a natureza humana. Ela, Escrita, quando usada com regras, forma uma língua que, por sua vez, pode ser identidade de uma Nação. Sentiu-se muito importante e desta conclusão deu nota à Sr.ª Música que entretanto tinha chegado.

 

A Sr.ª Música não quis ser desagradável com a amiga, mas logo ali deixou claro que a Sr.ª Escrita não tem o exclusivo de mexer com a natureza humana; ela também o faz e há muito mais tempo. Tem vindo a acompanhar o homem desde o seu início e reforçou o seu argumento:

- O som que ouve, das ondas a desmaiarem na praia, repare, ouça com atenção, não contém uma melodia? Estou em toda a parte - basta que me queiram ouvir. Tenho várias filhas, a que os humanos chamam correntes musicais; elas também são identidades dos lugares onde nasceram. Quem como eu enche estádios e movimenta massas com o único objectivo de ser ouvido? 

 

A chegada da Sr.ª Pintura e da Sr.ª Fotografia interromperam a divagação da Sr.ª Música, não sem algum desagrado desta, a qual, não querendo ser incorrecta, incentivou a Sr.ª Pintura a falar do seu papel. E ela falou. A sua principal preocupação é realçar o que há de belo nas pessoas, nas coisas, nas paisagens nas acções, etc.. E sente-se muitas vezes injustiçada por não ser verdadeiramente compreendida. Facilmente chamam horrível ao belo, tendo como único argumento o não gostarem. Mas até no horrível se pode encontrar uma parte bela.

- Reparem - chama ela a atenção – os fuzilamentos de Góia parecem horríveis, não é? Na realidade as práticas foram muito piores. Eu pego na realidade e torno-a menos agressiva.

 

A Sr.ª Fotografia, sempre tão parca em palavras, não quis terminar o lanche sem defender a sua causa:

- Pois a mim custa-me aceitar ser tão ignorada no mundo das artes. Não fosse eu e como poderiam os humanos registar cenários de guerra, acontecimentos importantes como os casamentos, os baptizados, isto para não falar da imprensa, revistas e jornais. Saiba a Sr.ª Escrita que muitas das revistas não são lidas, mas apenas vistas pelas suas fotografias. Eu, como a Sr.ª Pintura, também reproduzo uma realidade, mas ao mesmo tempo fixo o momento.

A Sr.ª Fotografia acaba a lamentar-se por já não serem os mesmos tempos, os tempos em que as famílias se engalanavam para ir ao fotógrafo e, depois de lhes chamarem a atenção para o passarinho que nunca existia, tiravam uma fotografia para a posteridade.

 

O Sr. Cinema, que nasceu mudo mas rapidamente evoluiu, pese embora ainda não ter passado de 7.ª Arte, é um verdadeiro cavalheiro. Não quis interromper as Senhoras quando chegou, mas logo que pôde entrou no diálogo e, bebericando uma bebida cor de chá mas com cheiro duvidoso, disse:

- Eu até aceito a deselegância de me pagarem o lanche se alguma das Senhoras me revelar um método mais simples de aprendizagem e indicar indústria mais rentável do que a minha. Vejam por exemplo o que acontece nos E.U.A. e na Índia! Não houve de facto argumentos e as contas acabaram à moda do Porto - cada um pagou o seu e cada um foi para seu lado cumprir a agenda.

 

Quando a Sr.ª Escrita entrou na sala de exposições foi recebida pela Sr.ª Música Ambiente. As Sr.as Fotografia e Pintura já estavam expostas nas paredes e, num lugar mais reservado da sala, já estava o Sr. Cinema - um filme sobre o autor do livro que ia ser lançado aquela noite.

Os personagens, já nossos conhecidos, entreolharam-se e respeitaram-se mutuamente. O Sr. Cinema quis divertir as Damas e piscou um olho, a imagem desapareceu do ecrã. Logo um técnico veio repô-la - pensa ele, porque o que aconteceu foi que o nosso amigo voltou a abrir o olho.

As Senhoras das artes riram muito e muito baixinho, tão baixinho que ninguém as ouviu...

 

Cidália Carvalho


 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 01:05  Comentar

De ninguém a 6 de Abril de 2010 às 15:07
mas também é bom lembrar...algumas
VERDADES!!!

A ARTE DE NÃO ADOECER

Se não quiser adoecer - "Fale de seus sentimentos"
Emoções e sentimentos que são escondidos, reprimidos, acabam em doenças como: gastrite, úlcera, dores lombares, dor na coluna. Com o tempo a repressão dos sentimentos degenera até em câncer. Então vamos desabafar, confidenciar, partilhar nossa intimidade, nossos segredos, nossos pecados. O diálogo, a fala, a palavra, é um poderoso remédio e excelente terapia.

Se não quiser adoecer - "Tome decisão"
A pessoa indecisa permanece na dúvida, na ansiedade, na angústia. A indecisão acumula problemas, preocupações, agressões. A história humana é feita de decisões. Para decidir é preciso saber renunciar, saber perder vantagem e valores para poder ganhar outros. As pessoas indecisas são vítimas de doenças nervosas, gástricas e problemas de pele.

Se não quiser adoecer - "Busque soluções"
Pessoas negativas não enxergam soluções e aumentam os problemas. Preferem a lamentação, a murmuração, o pessimismo. Melhor é acender o fósforo que lamentar a escuridão. Pequena é a abelha, mas produz o que de mais doce existe. Somos o que pensamos. O pensamento negativo gera energia negativa que se transforma em doença.

Se não quiser adoecer - "Não viva de aparências"
Quem esconde a realidade finge, faz pose, quer sempre dar a impressão que está bem, quer mostrar-se perfeito, bonzinho etc., está acumulando toneladas de peso... uma estátua de bronze, mas com pés de barro. Nada pior para a saúde que viver de aparências e fachadas. São pessoas com muito verniz e pouca raiz. Seu destino é a farmácia, o hospital, a dor.


Se não quiser adoecer - "Aceite-se"
A rejeição de si próprio, a ausência de auto-estima, faz com que sejamos algozes de nós mesmos. Ser eu mesmo é o núcleo de uma vida saudável. Os que não se aceitam são invejosos, ciumentos, imitadores, competitivos, destruidores. Aceitar-se, aceitar ser aceito, aceitar as críticas, é sabedoria, bom senso e terapia.

Se não quiser adoecer - "Confie"
Quem não confia, não se comunica, não se abre, não se relaciona, não cria liames profundos, não sabe fazer amizades verdadeiras. Sem confiança, não há relacionamento. A desconfiança é falta de fé em si, nos outros e em Deus.

Se não quiser adoecer - "Não viva sempre triste"
O bom humor, a risada, o lazer, a alegria, recuperam a saúde e trazem vida longa. A pessoa alegre tem o dom de alegrar o ambiente em que vive.



"O bom humor nos salva das mãos do doutor".



De Joel a 2 de Abril de 2010 às 17:01
Muito original, Cidália. De facto precisamos de todas. E tal como o mundo artístico é mais rico à custa da variedade, o mundo humano também enriquece à custa das diferenças costrutivas.
Um texto fabuloso, no seu sentido original, ao jeito de Jean de La Fontaine.

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Abril 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
17

18
19
21
22
24

25
26
28
29


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: