20.4.10

 

Sou jovem, nunca me morreu ninguém que amasse; já tive medo que isso acontecesse, mas não é a mesma coisa; a minha profissão também não me coloca em contacto com a morte. À minha volta, a morte não é um assunto presente. Parece-me que isto acontece com a generalidade das pessoas; diria que a morte é algo de que nem sequer nos lembramos no dia-a-dia, ocupados com a tarefa de viver. Por isso não diria que é um tabu - nada tem de interdito, de transgressão, de moralmente chocante; de todas as realidades, a morte, o grande destino comum, é, com certeza, uma das mais consensuais.

Ao nível macro, não é difícil falar de morte. Quase todos os dias há notícia de mortos pela guerra, danos colaterais ou mortos pela fome; mais do que a morte em si, as circunstâncias poderão chocar; os ilustres também morrem de vez em quando na televisão e facilmente a reacção a estas notícias é de algum pesar. Nos últimos tempos tem-se intensificado a discussão de questões adjacentes à morte, como a eutanásia, a distanásia, o suicídio ou a importância dos cuidados paliativos. Somos capazes de reconhecer em algumas religiões, práticas espirituais e alguma poesia, pelo menos, a recomendação da consciência de que vamos morrer um dia como essencial para uma vida melhor vivida.

 

Mas é verdade que estamos habituados a associar à morte temor e sofrimento, só mitigáveis através de uma fé. Seja pelo término da vida que se conhece e o absoluto desconhecido que se segue; seja pela dor da perda alguém querido; seja pelo receio de sofrer ou ver sofrer até à consumação da morte; seja por receio do julgamento final, o divino ou o próprio.
O que poderá fazer da morte tabu, como assunto de que é difícil falar, não será a morte em si mas o facto de acontecer em casa - de se tratar da nossa morte, da morte de alguém que amamos, ou da morte que faz sofrer alguém que nos é querido - e de nos obrigar a abrimo-nos profundamente; é a aproximação à intensidade de sentimentos que lhe está associada, em que as referências deixam de servir e nós deixamos de estar no comando. O tabu da morte é o tabu da entrega absoluta.

 

Ana Álvares

 

Temas: ,
Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 01:05  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Abril 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
17

18
19
21
22
24

25
26
28
29


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: