20.7.10

 

 
Criar expectativas é tão natural como respirar. Desde sairmos de casa à hora habitual, contando demorar os 20 minutos conhecidos até ao lugar de trabalho, como sempre acontece se saímos àquela hora, com bom tempo e sem acidentes de percurso, até esperarmos gozar a nossa reforma após uma vida de trabalho. Que as expectativas nos criem, também o é. Nascemos no contexto de uma determinada cultura, movemo-nos em grupos sociais com costumes e regras mais ou menos explícitas que assimilamos mesmo sem nos apercebermos; a dinâmica instala-se entre o anuir e esperar corresponder, e a rebelião, na procura de uma forma de estar que identifiquemos como “sou eu e tenho um lugar”; assumimos um compromisso, múltiplos compromissos, ou a ausência deles, que modelam a nossa identidade - não nos é dado escolher.
 
Ao longo da vida aprendemos a lidar com as múltiplas e flutuantes camadas de expectativas: as que são nossas e as que recaem sobre nós, as que fazemos recair sobre os outros, aquelas de que não tínhamos consciência e as que alimentámos deliberadamente (que não raro são metas ou objectivos, encadeados), as que são inevitáveis e as que não são, as que são realistas e as que não são, as que são inócuas e as que são armadilhas, as que são pequeninas (espero que a compota de cereja fique boa!) e aquelas que definem a forma como conduzimos as relações mais íntimas, a vida de quem está ao nosso cargo, o quão bem estamos connosco, como lidamos com os outros, o que nos move, as decisões que tomamos, o que produzimos, o que fazemos de nós.
Da mesma forma que nos impulsionam, as expectativas podem ser expressão de pré-conceitos e manietar-nos ou agarrar-nos ao passado, porque construídas sobre experiências que já foram, que tiveram os seus condicionantes e desenlaces. Podem impedir a comunicação de mensagens muito simples. Esta semana explicava por email a uma amiga como remodelar um documento com a formatação automática no Word; é simples, mas por qualquer razão ela não estava a conseguir. Decidimos falar ao telefone e ela diz-me “Mas é só isso?” Esperava outra coisa, daí achar que estava a falhar.
 
Uma vida em que faltem expectativas positivas (de realização, de bem-estar), na série que alimentamos continuamente, deve ser como um carro que trava a todo o momento e que no final do percurso se gastou em 50 quilómetros. Por outro lado, acontece ouvirmos alguém balbuciar “esperava muito mais desta relação”, para justificar o estado deplorável em que está. Há quem se instrua em não criar expectativas - será possível? Parece-me que é inevitável criá-las, até como um sentimento de fundo, talvez como ser-se optimista ou pessimista, como ter ou não ter esperança, ou fé.
 
Ana Álvares
 
Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 01:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Julho 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
16
17

18
19
21
22
24

25
26
28
29
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: