10.12.10

 

- Gosto muito de ti.
 
A frase, dita à mesa do café, tão difícil de pronunciar entre portugueses adultos, carrega um peso tal que nos faz questionar intenções, intensidades e consequências. A quem a ouve, mas igualmente a quem a diz.
 
Fácil – tão fácil!- é dirigir as mesmas palavras a um gato, a uma criança, ou colocá-las na boca de qualquer personagem de romance. Porque nestes casos, quem a ouve ou lê não questiona, pelo menos directamente, não questionando portanto quem a diz ou escreve.
 
“Gosto muito de ti”. Demorei alguns segundos a responder.
 
- Eu também tenho uma grande estima por ti.
Propositadamente formal e defensiva, a resposta pretendia baixar intensidades, balizar intenções e prevenir consequências.
 
Tudo isto se passou há muitos anos, mais de 40, quando a manifestação de um sentimento tão forte entre adolescentes era difícil. Entre adolescentes do mesmo sexo era impensável. E era “proibida” se fossem do sexo masculino.
 
Se acontecesse hoje, passados mais de 40 anos, seria diferente?
 
L. matou-se. Não cometeu um acto desesperado e, muito menos, tresloucado. Não pôs termo à vida. Não se suicidou. Não. L. matou-se. Rebentou com os miolos e fez parar um coração a transbordar de sentimentos e desamores. M A T O U - S E.
Que do tempo das respostas propositadamente formais e defensivas me arrependo eu.
 
L. matou-se porque era homossexual num pequeno mundo faz-de-conta, no qual todos os homens eram machos e todas as mulheres eram fêmeas.
 
Antes de se matar – soube-o mais tarde – L. procurou os amigos e a todos disse a frase “proibida”. Com o passar dos anos, torna-se cada vez mais claro para mim que a frase não estava completa. “Gosto muito de ti. Diz-me que gostas de mim.” era a frase que eu deveria ter lido nos olhos do meu amigo.
 
E se eu, acobardado na resposta propositadamente formal e defensiva, lhe tivesse lido o olhar? E se eu lhe tivesse dito, porque era verdade: “ Também eu gosto muito de ti”?
 
José Quelhas Lima
 
Temas:
Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 02:05  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Dezembro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
13
15
16
18

19
20
22
23
25

26
27
29
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: