15.3.11

 

Pensei em escrever-te uma carta em jeito de agradecimento. Conheço-te bem; dirás “não é preciso agradecer coisa nenhuma”. Pois, não será. Ainda assim, é mais do que justo que o faça. És a amiga que há mais tempo tenho na minha vida. Conhecemo-nos há dezanove anos. Partilhámos a infância, a escola, os primeiros inocentes amores, parte da adolescência. Brincámos juntas, eu, tu e os nossos irmãos que, tal como nós, têm a mesma idade. Fomos crescendo, sem percebermos que não eram os sapatos de tacão alto da minha mãe que nos engrandeciam, apenas a força imparável do tempo. O mesmo que parecia arrastar-se, trocista, quando éramos crianças e que, agora, corre veloz e impiedoso. Parecíamos ligadas por um fio invisível que nos conduzia sempre ao encontro uma da outra, o porto seguro, o afecto que nem precisava de palavras. Tal como sempre foi, não partilhamos a mesma perspectiva sobre almas, afectos e atitudes. No entanto, sei que isso não diminui a força do sentimento que nos une. Os nossos caminhos separaram-se na cadência do dia seguinte e dos diferentes sonhos que perseguíamos.

 

Esbarrámos uma na outra alguns anos depois. No reencontro, a partilha dos anos de ausência: a dor, a angústia das memórias ainda frescas. Foram anos difíceis os que não vivemos juntas… Foste tão importante para mim. Até te reencontrar, achei que não voltaria a confiar numa mulher. Pensei que, amiga, era uma palavra que doravante me traria apenas tristeza e insegurança. Medo. Estava tão magoada…E apareces tu no meu caminho para me relembrares que há quem conserve valores inabaláveis na amizade. Para me mostrares que é possível confiar plenamente numa amiga, apesar das desilusões que possam chegar, aqui e ali, ao longo da vida. E és tão grande que abriste caminho a outras pessoas fantásticas que hoje deixo que me toquem o coração.

É possível viver sem medo da própria sombra. Agora eu sei, graças a ti.

 

Alexandra Vaz

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 02:05  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Março 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
14
16
17
19

20
21
24
26

27
28
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: