25.3.11

 

Aristóteles, 384-322 a.C., filósofo grego, citado por Diógenes Laércio em Lives of Eminent Philosophers (1925), refere que dois amigos são uma mesma alma que vive em dois corpos.

É fantástica a frase de Aristóteles e diz quase tudo. Mas será mesmo que amigo é só aquele que conhece e reconhece como sua a alma do outro? E este processo necessitará de tempo para acontecer? Quanto tempo? Ouvimos falar e concordamos com o valor da amizade, o podermos contar com o outro para desabafar, para partilhar alegrias e tristezas, termos como garantido o nosso porto de abrigo, termos aquele que nos conforta mas também nos elogia e crítica e aponta alguns defeitos, enfim, o nosso amigo. E, parece que, para construirmos essa amizade é necessário tempo, disponibilidade e investimento, diria a maioria.

 

Parece haver vários tipos de amigos. O amigo de infância, o amigo de longa data, o grupo de amigos das saídas e das festas, o amigo biológico, aquele em quem confiamos para partilharmos os pensamentos, aventuras e desventuras. São muitos e muito variados e servem propósitos muito diferentes. Arriscaria a comentar que a amizade pode também assumir várias formas.

Assim, perdoe-me o amigo leitor, já que neste momento apetece-me lembrar outro tipo de amigo. Aquele que só vemos uma vez. O de circunstância. O temporário. O efémero. Será que haverá legitimidade para chamarmos amigo àquele que, numa estação de comboios de uma qualquer cidade, nos estende a mão num momento de aflição e nos cede toda a atenção e tempo, mesmo que sejam dez minutos, e sem nos conhecer de lado algum nos presenteia com o seu ouvido atento, confiança e com um abraço e com um aperto suave de mão?

E se cedermos alguma disponibilidade, juntamente com uns dois euros e alguma companhia em silêncio a uma senhora que, com ar desgastado e envergonhado, pede esmola junto à confeitaria onde habitualmente, entramos? E se partilhamos um pequeno-almoço? Será que esse instante, esses doze minutos serão lembrados e relembrados e contados como preciosos pelos dois amigos?

Será que, num fim de tarde, quando se deixa para trás um compromisso e nos dedicamos a uma velhinha que se apresenta sentada no cercado de pedra da igreja, de cabeça entre as mãos e entre os braços e que chora compulsivamente, só e desolada, podemos chamar de gesto de amizade?

 

Perguntei à Inês, que tem 9 anos, o que é um amigo e, prontamente, respondeu, alguém em quem confiamos. Nada mais. Eu acrescento, mesmo que isso esteja circunscrito a minutos, nesses momentos há, com certeza, confiança.

Gosto de sentir a amizade também desta forma. Momentos, instantes, ocasiões únicas, com o amigo de longa data, ou não, com aquele que cresceu connosco e partilhou muitos segredos e que conhece a nossa família e esteve presente em festas e celebrações que marcam pontos de viragem, e conhece as nossas alegrias e inseguranças, ou com o colega de trabalho que num instante nos acarinha quando as emoções estão ao rubro e, suavemente afaga o nosso braço num gesto de compreensão e carinho, ou com aquele senhor do quiosque, de longos bigodes e óculos mal posicionados no nariz que reparou no nosso estado de angústia e nos cedeu um pouco do que é seu.

 

Eu gosto de me lembrar destes. Os “amigos” que deixam um sentimento de que ficou algo por dizer e agradecer e muito por partilhar e que nunca mais vimos e que têm um lugar cativo, um espaço importante na nossa memória e que desejamos um dia, quem sabe, talvez reencontrar uma vez mais.

Eu gosto, particularmente de recordar, com nostalgia, também os amigos que passaram a correr, quase sem parar, pela minha vida.

 

Ana Teixeira

 

Temas:
Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 02:05  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Março 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
14
16
17
19

20
21
24
26

27
28
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: