3.5.11

 

Caminham em silêncio, de mãos dadas. Um silêncio povoado de afectos que elas não querem quebrar. De vez em quando as mãos apertam-se para se sentirem mais próximas, para avalizarem o carinho que as une.

Sentam-se no único banco livre, bem no centro do jardim, junto ao lago onde patos e cisnes deslizam por entre os nenúfares que cobrem as águas sujas e esverdeadas. Coabitam com os peixes avermelhados que só são visíveis nas águas turvas quando iluminados pelos raios de sol que atravessam a folhagem das árvores e vão dar vida ao lago. O velho plátano, hoje como há muitos anos, serve-lhes de guarda-sol. Os seus ramos, numa dança incessante, de cá para lá, de baixo para cima, tocam-nas, envolvem-nas e oferecem-lhes um presente da sua própria criação – depositam no regaço da mulher mais idosa uma folha.

As mãos separam-se.

A mulher pega a folha e fá-la rodopiar nos dedos desenhando círculos no ar. Observa-a! Primeiro de um lado, deixa-se impressionar com a cor intensa do verde, depois vira-a e o verde-claro, tão claro que mais parece branco, intriga-a, o mesmo ser com duas cores, duas faces. Observa-lhe o pé, o elemento que a prendia à vida mas que faliu e a deixou à deriva. Cumpriu o seu ciclo, caiu. Mas, terá mesmo cumprido o seu ciclo? Será aquele o seu fim?

 

O seu pensamento salta de pergunta em pergunta, confunde-se com a folha e as interrogações que a invadem são já sobre a sua própria existência. 

Mexe-se no banco para afastar o incómodo que a invade. Sacode o regaço. A folha cai abandonada no chão. Arrepende-se do gesto irreflectido e quer apanhá-la de novo. Esgota-se a tentar resgatá-la ao vento que, brincalhão, a sopra para perto, para de seguida a afastar para mais longe. Desiste, já não se sente com forças para brincar com a força do vento.  

Lamenta o quanto não terá perdido pela vida fora por gestos repentinos e impensados. Assalta-a um desejo penoso -  ter vinte anos e saber o que sabe hoje! É um desejo incompreendido, ninguém lhe pergunta o que é que apreendeu, ninguém quer saber se ela tem alguma coisa para ensinar. E no entanto aprendeu tanta coisa que poderia partilhar!...

Aprendeu que não existem relacionamentos sem respeito, que a felicidade se sustenta em laços apertados de afectividade, que a compaixão aproxima, que todas as pessoas vivem no desejo de serem compreendidas, aceites, amadas.

Aprendeu a viver como ser livre que é.

 

A jovem sentada ao seu lado brinca com as suas mãos. Aperta-lhe ligeiramente a pele e observa as pregas que se vão formando. A ausência de poros dá-lhe um aspecto plastificado. Ainda se lembra de as ver com os dedos pontiagudos, finos e bem torneados, de pele branca, quase transparente. Já não são como antigamente, porém ricas de experiência. As pregas e as manchas contam uma história, a história da sua vida.

 

Finalmente o silêncio é cortado.

- Foi aqui neste jardim, que o teu avô me pediu em casamento. No meu tempo este era o jardim dos namorados.

A neta olha-a com tristeza.

- Sabes avó, gostaria que sentisses que este também é o teu tempo.

 

Cidália Carvalho

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 01:05  Comentar

Maputo | Moçambique

 pessoa(s) ligada(s)

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Articulistas

> Alexandra Vaz (PT)

> Ana Martins (PT)

> Cidália Carvalho (PT)

> Ermelinda Macedo (PT)

> Fernando Couto (PT)

> Fernando Lima (PT)

> Jorge Saraiva (PT)

> José Azevedo (PT)

> Leticia Silva (PT)

> Rui Duarte (PT)

> Sandra Pinto (PT)

> Sandra Sousa (PT)

> Sara Almeida (PT)

> Sónia Abrantes (PT)

> Tayhta Visinho (PT)

> Teresa Teixeira (PT)

Maio 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13
14

15
16
18
19
21

22
23
25
26
28

29
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Parabéns Ana Martins, uma abordagem bastante suges...
Obrigado Denise, embora sinta que tenha sido basta...
Muito bom !Explicou exactamente o que eu penso!!!
Concordo plenamente caro Dr. Sendi, o facto é que ...
Gostei muito do artigo .Estou plenamente de acordo...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: