6.5.11

 

Não é muito valorizada a idade na nossa sociedade, pelo contrário, todos os dias cientistas e investigadores trabalham no sentido de encontrar uma “cura” para o envelhecimento, um retardador potente. Os nossos mais velhos são, demasiadas vezes, encostados a um canto e é desvalorizada a sua opinião, por se achar que não têm mais nada para oferecer.

Aprendi com esta sociedade que chegar a uma certa idade é desprestigiante e que, por muito conhecimento que tivermos para transmitir, não seremos levados a sério devido à nossa idade. Tantas vezes em jovem ouvi adultos a comentar, acerca de pessoas mais velhas, que se arrastavam pelas ruas, “olha para isto, que figura, para isso prefiro não chegar àquela idade”. E com este tipo de afirmações, estive na iminência de ter uma opinião semelhante e de viver para sempre assustada com o inevitável avançar da minha idade. Só não vivo assustada hoje, graças a todas as conversas que tive com a minha avó (que, com muita pena minha, já não se encontra entre nós).

 

Uma das histórias que a minha avó me contou e que passo a partilhar, aconteceu quando ela era muito nova, devia ter os seus 7 ou 8 anos. Nessa altura, ela costumava visitar, com as amiguitas, uma vizinha velhinha que estava acamada e que tinha ficado cega há já alguns anos. Todos os dias, as jovens faziam uma visita à velhinha que lhes contava as suas peripécias do passado, partilhava com elas as suas crenças e pontos de vista. E tanto a minha avó como as amigas tinham muita pena da velhinha pela sua condição limitada. Um dia, uma das amigas da minha avó decidiu partilhar a sua opinião com a velhinha dizendo-lhe com carinho: “coitadinha de si, viver nestas condições, só espero que Deus a leve depressa”. A velhinha não gostou nada de ouvir estas palavras e reagiu muito mal dizendo “que Deus te leve a ti, pois eu ainda não estou pronta! Ainda tenho muitos passarinhos para ouvir cantar à janela, muitas histórias para partilhar com as pessoas, muita cor e brilho para imaginar. Fala por ti que eu não quero ir já! Não venhas para aqui desejar-me a morte!”. As jovens ficaram muito admiradas com a resposta da velhinha, de tal forma que a minha avó nunca mais esqueceu aquelas palavras, mesmo passados muitos anos, quando ela chegou à mesma idade da velhinha.

Desta forma, a minha avó mostrou-me que, independentemente da idade e das limitações que nos podem surgir com a mesma, estamos sempre a tempo de aproveitar o que acontece à nossa volta, sempre a tempo de ser felizes com o pouco que temos. E aprendi também que as lições mais sábias não vêm só dos professores e dos estudiosos, mas também daqueles que reúnem muitos anos de vida.

 

Ana Gomes

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 01:05  Comentar

De João Sá a 11 de Maio de 2011 às 21:44
Boa tarde! O Mil Razões está em destaque na homepage dos Blogs do SAPO Moçambique (http://blogs.sapo.mz/).

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Maio 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13
14

15
16
18
19
21

22
23
25
26
28

29
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: