4.10.11

 

Quem estiver interessado no tema (desconfio se não tiver uma costela masoquista), encontrará de certeza na Internet textos e textos de conselhos para um retorno são às funções laborais. Eu com certeza não o fiz, nem o farei. Já explicarei porquê. Repare o leitor que utilizei o termo “são” mas poderia ter utilizado um termo que não se envolvesse na dicotomia ausência de doença – doença, ou até não ter utilizado um termo adicional de todo. Fi-lo propositadamente porque a minha experiência me diz que no início de setembro, quando por coincidência terminam as minhas férias, tenho uma “tendência” natural para ficar doente. Logo, não são. É evidente que quando fico doente, não remeto esta condição para a parte física da coisa. Se tanto, primeiro fico doente psicologicamente e tal, como consequência, leva-me inevitavelmente para a questão meramente física. Antes se tratasse de uma gripe apenas que em 3 dias estava resolvido...

 

É evidente que tenho as minhas estratégias que visam minorar o impacto da transição praia / cama / horários livres / família, para escritório / secretária / horários rígidos / chefe. Aconselho todos a fazerem o mesmo. Dai não ter ido à Internet procurar qualquer tipo de informação. Tenho uma “receita caseira” que me vai mais ou menos servindo e que se vai transmutando de ano para ano. Não sei se por uma questão de idade (minha) ou idade das minhas funções no local. Vou partilhar a receita deste ano, mas não a tentem replicar dado que não se garantem resultados e que a mesma poderá sofrer alterações, sem aviso prévio, para a próxima temporada.

 

1 – No primeiro dia de férias interiorizo o facto de que as mesmas terminarão brevemente;

2 – No primeiro dia de férias continuo a interiorizar o facto de que ganhar o euromilhões envolve probabilidades que não estão ao alcance da minha matemática, pelo que levar o resto da minha existência sem trabalhar mais, provavelmente não irá acontecer agora;

3 – No primeiro dia de férias dou graças ao facto de poder passar tempo com a família sem estar preocupado com horários de trabalho ou escolas. É claro que também interiorizo o facto que tal tem uma duração limitada, mas que é melhor “curtir” o momento do que estar a sofrer pelo seu término;

4 – No primeiro dia de férias decido que mesmo que caiam o Carmo e a Trindade, não vou gastar 2 minutos a pensar no que ficou por fazer no trabalho;

5 – No primeiro dia de férias inicia-se a tradição de (excepto em caso de indiscutível necessidade, evidentemente) não contactar nenhum colega de trabalho. Eles sabem que não podem levar a mal, dado que passo com eles 11 maravilhosos meses de companhia;

6 – No primeiro dia de férias decido que só voltarei a pensar em voltar à vida de trabalho no último dia de férias;

7 – No último dia de férias deito-me tarde, por forma a adormecer de tão estourado que não me permito dar voltas à cama a fazer contas – “faltam 7 horas para ir trabalhar”, “agora faltam 6”, “porreiro, 5 horas”, “será que vale a pena dormir por 4?” e geralmente acabava por aqui e dormia 3;

8 – No primeiro dia de trabalho não inicio nenhuma tarefa complicada. Acho mais simpático rematar pontas soltas de atividades do ano anterior e esperar que tal dure mais um ou dois dias, antes de oficialmente na minha cabeça iniciar um novo ciclo;

9 – No primeiro dia de trabalho interiorizo o facto de que se não fosse pelo meu emprego não conseguiria fazer e ter as coisas que faço e tenho quando saio do mesmo;

10 – No primeiro dia de trabalho não olho sequer para o calendário de atividades do ano. Se me perguntarem quando é o próximo feriado, dou-vos um exemplo: soube hoje, domingo, que vai ser na próxima quarta.

 

E pronto, aqui ficam 10 ingredientes da minha receita. Com certeza até serão mais mas na verdade não consigo pensar de momento nos outros, dado que após o ter escrito, de facto ainda não consegui interiorizar o ponto 2.

 

Rui Duarte

 

Temas: ,
Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 01:05  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Outubro 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
15

16
19
20
22

23
24
26
29

30
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: